quarta-feira, 12 de junho de 2019

9 ANO RESUMO PROVA DISCURSIVA



No que se refere à dimensão, a Ásia é o maior dos continentes e ocupa uma área de quase 44 milhões de km², ou cerca de 30% das terras emersas no planeta.

 Separa-se da África pelo oceano e também pelo canal de Suez, na Península do Sinai, onde fica a fronteira entre Egito (África e Ásia) e Israel (Ásia), e o Mar Vermelho.

A Austrália, mesmo sendo maior que a Nova Zelândia, não é considerada uma ilha e sim o menor continente do planeta.

A Oceania é  um  continente  composto  pela  Austrália,  considerada  uma  potência  continental  por  ter  a  maior economia e ocupar mais de 93% da área total, e pelos vários países insulares (ilhas).

 A Nova Zelândia é a maior e mais desenvolvida ilha da Oceania entre eles.

A Oceania é fragmentada em milhares de ilhas que se espalham pelos arquipélagos do Pacífico, além das extensões maiores representadas pela Austrália, Nova Zelândia e a parte oriental da ilha da Nova Guiné, onde se situa o país Papua Nova Guiné.

Na parte ocidental   de Papua Nova Guiné, fica a Indonésia, e a fronteira entre esses países é o marco divisório da Oceania com o continente asiático, já que a Indonésia é considerada parte da Ásia.
A Austrália e Nova Zelândia, formam a Australásia,

A Oceania pode ser regionalizada conforme a localização das ilhas e países que a compõem em três regiões:

A Melanésia, a Micronésia e a Polinésia todas elas se distribuem no Oceano Pacífico.

Relevo e hidrografia

A Eurásia formou-se, há cerca de 55 milhões de anos, da divisão de um supercontinente extinto denominado Laurásia.

A Eurásia foi formada a partir da divisão da Pangeia – LAURÁSIA - porção NORTE.

Na mesma época, a Índia, uma grande ilha, iniciava seu processo de colisão com a Eurásia,  formando a cordilheira do Himalaia e construindo o relevo acidentado da região meridional da Ásia.

A Oceania, formou-se divisão da Pangeia – GONDWANA - parte SUL.

Há cerca de 33 milhões de anos, a Austrália separava-se da Antártica, deslocando-se mais ao norte.
As ilhas de origem vulcânica dispersas pelo Pacífico são ainda mais jovens, com idade aproximada de 8 milhões de anos, e resultam da movimentação das várias Placas Tectônicas que formam o assoalho desse oceano.

OUTRAS FORMAS DE RELEVO DA ÁSIA E OCEANIA

PLANALTOS ANTIGOS

Planaltos antigos e erodidos pela ação do tempo no Irã, Mongólia e interior da Austrália;

Planaltos cobertos por rochas originadas de derrames de magma, como na Sibéria Central e no sul da Índia;

Planaltos soerguidos pela colisão de placas da litosfera, como o Planalto do Tibete, no oeste da China;

CADEIAS DE MONTANHAS

Cadeias de montanhas dispostas em sentido latitudinal, como os Pirineus, entre a França e Espanha (sudoeste da Europa);

Cadeias de montanhas dispostas em sentido longitudinal, como os Apeninos, na Itália; os Urais, na Rússia; os Alpes japoneses, no Japão; e a Grande Cordilheira Divisória, na Austrália;

Alpes, que se estendem da França até a Eslovênia, passando por diversos países no centro--sul do mesmo continente;

Cáucaso, no Azerbaijão, Geórgia, Rússia e Armênia, divisa entre Ásia e Europa;

Himalaia, no sul da Ásia.

Extensas planícies que se estendem por quase toda a região setentrional da Europa e da Ásia;

Depressões interiores drenadas por bacias hidrográficas endorreicas (que terminam no interior  dos  continentes)  no  entorno  dos  mares  Cáspio, Aral e Morto e no centro-leste da Austrália, na Grande Bacia Artesiana.

RELEVO E HIDROGRAFIA DA ÁSIA E EUROPA

Os planaltos mais antigos da Eurásia, são os originados em áreas de escudos cristalinos e de formações geológicas pré-cambrianas e, em alguns casos, sobre bacias sedimentares. 

Bacias sedimentares de antigos ambientes marinhos, pressionadas por forças tectônicas, desenvolveram condições favoráveis para a formação de petróleo.

As bacias sedimentares marinhas localizadas nos mares Negro e Cáspio, no Leste Europeu e Golfo Pérsico, que fica entre a Arábia Saudita e o Irã, no Oriente Médio, tem uma das principais jazidas petrolíferas e de gás natural do mundo.

RIOS E LAGOS DA ÁSIA E EUROPA

Grandes civilizações do passado se desenvolveram junto a importantes rios da Ásia e da Europa.

Entre cerca de 10 mil e 5 mil anos atrás, aproximadamente, muitas das superfícies planas que periodicamente eram inundadas por eles, principalmente no médio e baixo vales, transformaram-se em espaços de cultivo e domesticação de animais. 

Posteriormente, nesses mesmos locais, se desenvolveram sítios urbanos. 

Mesmo nos dias de hoje, importantes cidades europeias e asiáticas nasceram e cresceram nas margens de rios ou mesmo em ilhas fluviais.

Entre elas, destacam-se:

Europa:  Londres, capital do Reino Unido, às margens do Rio Tâmisa; Paris, capital da França, às margens do Rio Sena; as alemãs Hamburgo, no Rio Elba, e Colônia, no Reno;

Ásia: Bagdá, capital do Iraque, às margens do Rio Tigre; a indiana Calcutá, no Rio Ganges; a chinesa Nanquim, no Rio Yangtsé.

As mais altas e extensas cadeias de montanhas são também os principais divisores de bacias.
Nelas nascem rios que descem as encostas das cordilheiras.

Nos planaltos e planícies, suas águas se avolumam com a contribuição dos afluentes.

Os lagos europeus e asiáticos se localizam geralmente mais ao norte e têm, em sua maioria, origem glacial.
Com o recuo da glaciação após a última Idade do Gelo, finalizada há cerca de 20 mil anos, milhares de lagos se formaram da Irlanda à Sibéria.

A Suíça e  mais  ainda  a  Finlândia,  entre  outras  características,  são  conhecidas  pela  grande  quantidade  de  lagos  que se distribuem aos milhares por seus territórios.

A Rússia também apresenta grande quantidade de lagos de origem glacial, entre os quais, pela extensão, se destacam o Ladoga, com cerca de 18 mil km², e o Onega, com superfície de quase 10 mil km².

Há também lagos de origem tectônica, formados em falhas geológicas.

O mais extenso entre eles é o Bajkal, na região siberiana da Rússia.

O lago Bajkal tem mais de 30 mil km² e uma profundidade superior a 1 600 metros;

O lago Bajkal se localiza sobre uma extensa falha que pode estar ligada à formação de outras depressões;

Mais de 300 rios desembocam no lago Bajkal, que, entre os de água doce, é o mais volumoso do continente asiático.

O  lago Bajkal constitui uma bacia endorreica, já que os rios que nele desembocam não têm sua foz no oceano, e sim no interior do continente





sexta-feira, 24 de maio de 2019

6º ANO CORREÇÃO CAPITULO 3














6º ANO CORREÇÃO GINCANA.




CORREÇÃO QUESTÕES GINCANA

01. Relacione as colunas.

A - Limite divergente.                                     B - Limite convergente.,

(   ) As placas tectônicas encontram-se e chocam-se, exercendo grande pressão e forçando uma sobre a outra.

(   ) À medida que as placas tectônicas se afastam, o espaço criado é automaticamente preenchido com material magmático, o qual se resfria e se solidifica, formando novo fundo oceânico.

(   ) Ocorre quando as placas tectônicas estão se afastando.

(   ) Ocorre quando as placas se movimentam na mesma direção.

(   ) A placa formada por material mais denso, geralmente a porção oceânica, mergulha em áreas mais profundas no ponto chamado de zona de subducção e se funde com o material que compõe o manto.

RESP.: B,A,A,B,B

02. Sobre a dinâmica de movimentação das placas tectônicas, complete as lacunas do texto a seguir.

 ASTENOSFERA      MAIS      CONVECÇÃO      EMPURRA      DESCE      LITOSFERA      MENOS

 Essas placas se movimentam impulsionadas pelas correntes de  CONVECÇÃO DO MAGMA  que ocorrem nas porções mais superficiais do manto terrestre, próximo à  ASTENOSFERA , como é chamada a transição entre o manto e a  LITOSFERA. O material magmático se aquece, fica MENOS denso e sobe para as camadas  externas. Ao chegar próximo à Astenosfera, ele se resfria, torna-se MAIS denso e   DESCE para perto do núcleo. O material magmático em movimento  EMPURRA   as placas tectônicas, que se movem lentamente.

03. Assinale as alternativas que identificam os fenômenos que são gerados pela movimentação das placas tectônicas.

a) Terremotos
b) Tornados
c) Vulcões
d) Tempestades
e) Formação de grandes cadeias de montanhas.

RESP.: A, C, E

04. Analise as afirmações abaixo e marque certo ou errado.

a) As planícies são áreas relativamente planas, ocorre em altitudes baixas, muitas vezes logo abaixo de planaltos ou montanhas.

( X  ) CERTO                                                              (    ) ERRADO

b) As planícies são formadas medida que os terrenos mais altos são desgastados pelo decorrer do tempo e seus sedimentos se soltam e vão parar nos locais mais baixos, acumulando-se em forma de planícies.

( X  ) CERTO                                                              (    ) ERRADO

05.  Analise o quadro abaixo e responda

6. Analise as alternativas abaixo e marque a que for correta. O que é tempo geológico?
a) É a escala de tempo criada para compreendermos a historia do planeta terra, ao longo de sua evolução.
b) É a escala de tempo que conta a existência do ser humano no planeta,.
c) é um tempo normalmente contado em alguns milhares de ano.
d) É a escala de tempo contada pelo homem.
7. COMPLETE AS LACUNAS.

As áreas baixas onde ocorre a deposição de sedimentos que formam as rochas sedimentares são chamadas de  PLANICIE.
A maior parte dos depósitos sedimentares tem origem nos SEDIMENTOS que é transportado pelos rios em suas inundações. 
Os sedimentos também podem ser transportados pelos VENTOS, ÁGUA. Ou, ainda, pelo avanço e pelo recuo de camadas de gelo em decorrência de mudanças climáticas que se dão ao longo de milhões de anos.
 As bacias sedimentares representam uma grande fonte de recursos para a humanidade, principalmente pelo fato de que é nelas que se encontram os combustíveis fósseis, como o PETRÓLEO, GÁS NATURAL E CARVÃO

08. Sobre a forma de relevo depressão, assinale V para as alternativas verdadeira e F para as falsas.
(    ) A planície é uma forma de relevo que se caracteriza pela posição mais baixa que os terrenos de áreas vizinhas.
(    ) As depressões são classificadas de dois modos
(    ) Montanha é a forma de relevo de maior altitude.
(    ) Depressão absoluta quando sua altitude se situa abaixo do nível do mar.
(    ) Depressão Relativa apresenta altitude acima do nível do mar
RESP.: F,V,V,V,V

09. Sobre os planaltos e as planícies assinale certo ou errado.

a) Planalto são áreas com relevo geralmente ondulado, com subidas suaves e altitude relativamente elevada, onde tem mais erosão que sedimentação e cume arredondado.
(  X ) CERTO                                                                 (    ) ERRADO

b) As planícies apresentam escarpas, desnível abrupto (paredão) em uma de suas bordas.
(    ) CERTO                                                                 (  X ) ERRADO

10. Estudos realizados em meados do século passado deram aos geólogos uma nova visão da litosfera. Eles descobriram que ela é toda fragmentada em partes que abrangem tanto as áreas continentais quanto o fundo dos oceanos e mares. Essas partes são chamadas de:
a) continentes.
b) vulcões.
c) placas tectônicas.
d) crosta.
e) manto.

RESP.: C



quarta-feira, 22 de maio de 2019

6º ANO CAPÍTULO 3 - LITOSFERA: ESTRUTURA E RELEVO DA TERRA




ROCHAS MAGMÁTICAS OU ÍGNEA.

As rochas magmáticas são resultado da solidificação do “magma”, palavra da qual deriva seu nome.

Há de 4 bilhões e meio de anos, a Terra era formada exclusivamente de material magmático, o qual passou a se resfriar, dando origem às primeiras rochas desse tipo.

Rochas magmáticas são abundantes no planeta e constituem as porções da litosfera

Existem dois tipos de rochas magmáticas:

Rocha magmática extrusiva ou vulcanicaSão aquelas que se solidificam a partir do rápido resfriamento da lava, que é o magma expelido pelos vulcões na crosta. 

Rocha magmática intrusiva ou plutônica:  São as que se resfriam lentamente no interior da crosta terrestre;

Exemplos de rochas magmáticas:

Rocha magmática extrusiva: Basalto

Rocha magmática intrusiva: Granito.


ROCHAS SEDIMENTARES

Rochas Sedimentares: São formadas por meio da junção de sedimentos erodidos de outros tipos de rocha ou de material orgânico.

COMO SE FORMAM AS ROCHAS SEDIMENTARES.

São formadas de partículas e outros materiais que foram transportados, pelo vento, chuva, rio, mares oceanos e acumulada (deposição) em lugares mais baixos.

Os sedimentos carregados se depositam nesses locais mais baixos, formando camadas ou camadas sedimentares.

As camadas são compactadas ao longo do tempo e formam as rochas sedimentares.

As rochas sedimentares mais comuns, são os arenitos, formados a partir da areia, e o calcário, formado de sedimentos orgânicos.

As rochas sedimentares guardam indicações importantes sobre eras passadas do planeta.

Nas rochas sedimentares são encontrados os fósseis, que você estudou nas aulas de Ciências. As camadas mais profundas são as mais antigas.

As rochas sedimentares servem:

De revestimento para construções;

Fornecem recursos, como areia, para fabricação de vidro e concreto;

Argila para fabricação de cerâmica; 

Para alimentação, como sal;

Nas áreas que tem muita rocha sedimentar chamamos de BACIA SEDIMENTAR e nela encontramos PETRÓLEO, GÁS NATURAL E CARVÃO, que são chamados de combustíveis fósseis.


BACIAS SEDIMENTARES E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS

As áreas baixas onde ocorre a deposição de sedimentos que formam as rochas sedimentares são chamadas de bacias sedimentares. 

A maior parte dos depósitos sedimentares tem origem fluvial, ou seja, é transportada pelos rios e suas inundações. 

Os sedimentos também podem ser transportados pelos ventos ou pelas precipitações (chuvas).

Os sedimentos podem ser transportados ainda pelo avanço e pelo recuo de camadas de gelo em decorrência de mudanças climáticas que se dão ao longo de milhões de anos.

As bacias sedimentares representam uma grande fonte de recursos para a humanidade, principalmente pelo fato de que é nelas que se encontram os combustíveis fósseis, como o petróleo, o carvão mineral e o gás natural

ROCHAS METAMÓRFICAS

As rochas metamórficas são aquelas que, por  causa da grande pressão e de elevadas temperaturas, sofrem transformações, ou metamorfoses, em sua estrutura física e química.

Podem se formar, por exemplo, quando um bloco de rocha magmática intrusiva permanece submerso na crosta, entre camadas muito pesadas que o comprimem e o expõem às altas temperaturas vindas do interior do planeta por milhões de anos.

Também podem se formar quando rochas sedimentares se acumulam por tanto tempo que seu peso sobre as camadas mais baixas acaba por transformar os sedimentos em rochas metamórficas.

Outra maneira pela qual as rochas metamórficas podem ser  originadas  é  por  meio  do  contato  entre  elas  e  o  material  magmático,  quando  o  calor  do  magma  funde a rocha, transformando-a.

Exemplos de rochas metamórficas:

A ardósia, por exemplo, em razão de seu formato muitas vezes em placas, é bastante usada na construção  de  muros e calçadas.

O mármore é empregado em grandes edificações antigas, ornamentações, esculturas e na construção civil de  alto padrão.

PLACAS TECTÔNICAS

A litosfera é uma camada sólida e relativamente fina que envolve o manto quente e viscoso.

As forças existentes no interior do planeta (movimento de convecção do manto) atuam sob a porção sólida externa,

Placas tectônicas são pedaço da crosta terrestre que surgiram a partir da divisão da pangeia.

O local onde as placas estão quebradas é chamado de limite de Placas Tectônicas ou falha geológica.

Os movimentos que as placas tectônicas executam são lentos e chamados de tectonismo.

Os movimentos que as placas tectônicas podem ser:

Limite Convergente: quando as placas colidem uma com a outra.

É quando as placas se movimentam uma em direção à outra, encontram-se e chocam-se, exercendo grande pressão e força.

Neste tipo de limite a placa oceânica afunda sob a continental no ponto chamado de zona de subducção,

No limite convergente podem ocorrer grandes dobramentos das placas e formarem montanhas. Exemplo - cordilheira dos Andes e do Himalaia.

Nestes limites, também, são formadas as fossas abissais.

Limite Divergente: Este tipo de limite se dá quando duas placas estão se afastando uma da outra. 

À medida que se distanciam e os blocos de rochas e solo entre elas são rebaixados, forma-se um vale de afundamento ou vale de Rift (fenda).

O espaço deixado pela movimentação é preenchido pelo magma que sobe, que formara novo solo do fundo oceânico.

Transformante: quando as placas deslizam uma ao lado da outra.

Nos limites transformantes, não há formação de cadeias ou criação da litosfera.
Ocorrem fortes terremotos.  

A Falha de San Andreas, na Califórnia, costa oeste dos Estados Unidos, constitui

OS MOVIMENTOS DE CONVECÇÃO DO MANTO OU DO MAGMA.

Nas porções mais próximas ao núcleo, o material magmático se aquece, fica menos denso e se dirige às camadas mais perto da litosfera.

Sob a crosta, o magma impulsiona as placas e se resfria, tornando-se mais denso, para, em seguida, afundar novamente para perto do núcleo.

O movimento nas correntes de convecção empurra as Placas Tectônicas, as quais se movem lentamente sobre o manto, provocando a movimentação das placas e ocasionando terremotos e vulcanismo.

FORMAS DO RELEVO

As principais formas do relevo: montanha, planalto, planície e depressão.

MONTANHAS

As montanhas são elevações com mais de 300 metros de altura em relação ao terreno em seu entorno.
É uma forma de relevo bastante visível nas paisagens.

Representam as maiores elevações da Terra, com altitudes que chegam a superar 8 mil metros.

As montanhas são elevações com mais de 300 metros de altura em relação ao terreno em seu entorno.
Apresentam cumes pontiagudos e muito altos (geralmente, acima de 2 mil metros)

 Os agrupamentos de montanhas formam cadeias de montanhas ou cordilheiras.

As montanhas podem ser chamadas de relevo jovens geologicamente em algumas dezenas de milhões de anos.

As montanhas antigas são chamadas de serras no Brasil;

Localizam-se na borda de planaltos e apresentam cumes mais arredondados, em razão do desgaste ocorrido ao longo de sua existência.

PLANALTOS

Planalto são áreas com relevo geralmente ondulado, com subidas suaves e altitude relativamente elevada, onde tem mais erosão que sedimentação e cume arredondado.

Apresenta escarpas, desnível abrupto (paredão) em uma de suas bordas.

Alguns planaltos, como o Altiplano Boliviano e o Planalto do Tibete, foram formados entre as grandes cordilheiras. Desse modo, suas altitudes podem ultrapassar 3 mil metros.

Os mais comuns são os planaltos mais baixos, tal como o Planalto Central do Brasil, que ocupa boa parte do território do país.

No centro do país encontramos chapadas e chapadões, que são variações de planaltos.

PLANÍCIES

São áreas relativamente planas (podem ser levemente onduladas), ocorre em altitudes baixas, muitas vezes logo abaixo de planaltos ou montanhas.

À medida que os terrenos mais altos são desgastados pelo decorrer do tempo, seus sedimentos se soltam e vão parar nos locais mais baixos, acumulando-se em forma de planícies.

Podem  ser  classificadas  de  acordo  com  características  locais,  como  planície  litorânea  ou  planície  continental,

DEPRESSÃO

A depressão é uma forma de relevo que se caracteriza pela posição mais baixa que os terrenos DE áreas vizinhas.

São classificadas de dois modos:

Depressão absoluta quando sua altitude se situa abaixo do nível do mar, o Mar Morto principal exemplo.

Depressão Relativa apresenta altitude acima do nível do mar. É o caso das depressões existentes no Brasil, a exemplo da Depressão Sertaneja.










quinta-feira, 16 de maio de 2019

CURSO OPÇÃO - QUESTÕES RELEVO DO BRASIL



QUESTÕES RELEVO DO BRASIL

1. (ESA) O Agreste apresenta um quadro natural diferenciado. Na maior parte da Bahia e em Sergipe, a sub-região é constituída por baixos planaltos. Já entre o Rio Grande do Norte e Alagoas, o Agreste é dominado pelo (a):
a) Chapada Diamantina.
b) Chapada do Apodi.
c) Chapada do Araripe.
d) Serra de Ibiapaba
e) Planalto da Borborema.

2. (ESA) A classificação do relevo brasileiro em grandes unidades, ou compartimentos, é uma síntese dos processos de construção e modelagem da superfície terrestre e das formas resultantes. Esta classificação distingue três tipos de compartimentos, que são:
a) Planaltos, Planícies e Dobramentos Modernos.
b) Escudos Cristalinos, Bacias Sedimentares e Dobramentos Modernos.
c) Planaltos, Planícies e Depressões.
d) Plataforma Continental, Talude Continental e Fossa Abissal.
e) Chapadas, Depressões e Bacias Sedimentares.

3. (ESA) Segundo a classificação de ROSS, Jurandyr L.S., podemos citar como exemplos de Depressão:
a) Depressão Sertaneja e Depressão dos Parecis.
b) Depressão da Amazônia Ocidental e Depressão Marginal Sul-Amazônica.
c) Depressão do Rio Amazonas e Depressão do Tocantins.
d) Depressão do Alto Paraguai e Depressão do Miranda.
e) Depressão Sertaneja e Depressão da Borborema.

4. No território brasileiro, a ausência de cadeias montanhosas explica-se:
a) pela pouca atuação dos agentes externos de transformação do relevo.
b) pela ausência de dobramentos modernos.
c) pelas intensas atuações do tectonismo.
d) pelo escasseamento dos depósitos sedimentares.
e) pela intensiva ação humana sobre as áreas naturais.

5. A estrutura geológica do Brasil é basicamente constituída por crótons (ou escudos cristalinos e maciços antigos) e bacias sedimentares. Essas últimas são predominantes, ocupando 64% do território, o que pode indicar:
a) uma boa disponibilidade de combustíveis fósseis.
b) a predominância de áreas de planície.
c) a ausência de depressões relativas.
d) uma acentuada amplitude altimétrica.
e) a não existência de terras verdadeiramente fé.

6. Geomorfologicamente a Serra do Mar é classificada como:
a) uma bacia de sedimentação.
b) uma escarpa de planalto.
c) um dobramento terciário.
d) uma sucessão de montanhas.
e) um altiplano.

7. O domínio morfoclimático do Cerrado, conforme classificação elaborada por Aziz Ab'saber, é definido por “chapadões tropicais interiores com cerrados e florestas galerias”. O seu tipo predominante de solo é o:
a) Latossolo, com baixo nível de nutrientes.
b) Pergelissolo, com baixa profundidade.
c) Terra rocha, com intensa fertilidade.
d) Arenoso, suscetível à arenização.
e) Calcário, bastante sedimentado.

8. (UDESC) Segundo Aziz Nacib Ab Saber, geógrafo, o relevo predominante no Brasil é:
a) Depressão Central.
b) Planícies e Terras Baixas.
c) Planalto Brasileiro.
d) Planície Costeira.
e) Planalto das Guianas.

9. (UDESC) Para classificar o relevo, deve-se considerar a atuação conjunta de todos fatores analisados - a influência interna, representada pelo tectonismo, e a atuação do clima, nos diferentes tipos de rocha.
Sobre o relevo brasileiro, é correto afirmar:
a) Pelos novos estudos que classificam o relevo brasileiro, é fácil perceber que as planícies dominam o território nacional; por isso há tantas áreas disponíveis para a agricultura.
b) As chapadas são formas de relevo moldadas em rochas metamórficas, do que resulta a feição tabular, com a superfície mais ou menos plana e encostas abruptas. São muito encontradas na região Sul e Sudeste do Brasil.
c) Não ocorrem no país dobramentos modernos. Essa característica contribui para que o relevo seja bastante desgastado e rebaixado pelo intemperismo e pela erosão, fato evidenciado pelas modestas altitudes encontradas no país.
d) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas - nome que se dá às áreas planas das praias.
e) Segundo o geógrafo Jurandyr Ross, não existem áreas de depressão no Brasil, pois nenhuma forma de relevo é mais baixa que a linha do oceano.

10. (PUC) A área carbonífera de Santa Catarina compreende os municípios de:
a) Itajaí, Florianópolis e Laguna.
b) Brusque, Jaraguá do Sul e Lages.
c) Campos Novos, Chapecó e Aranguá.
d) Criciúma, Lauro Müller e Urussanga.
e) Joinville, Blumenau e Rio do Texto.

11. (UNIVEST) Os escudos ou maciços antigos brasileiros formaram-se na era:
a) pré-cambriana.
b) cenozoica.
c) quaternária.
d) terciária.
e) mesozoica.

12. (ANÁPOLIS) Os terrenos cristalinos de origem proterozoica do Brasil caracterizam-se:
a) pelas altitudes superiores a 3000m.
b) pelo solo tipo terra roxa.
c) pela ocorrência de combustíveis fósseis.
d) pela grande riqueza em minerais metálicos.
e) por formarem extensas planícies aluvionais.

13. (FUVEST) Da ação de solapamento realizado pelas ondas do mar na costa brasileira resulta uma forma de relevo escarpado, que se apresenta, geralmente, mais vertical nas formações sedimentares que nas cristalinas. São:
a) os pães-de-açúcar.
b) os canyons.
c) os tômbolos.
d) as falésias.
e) os fiords.
14. (FEI) No Sudeste Ocidental do Brasil, a decomposição de rocha vulcânica do tipo basáltico originou um solo típico de regiões onde se cultiva café, conhecido como:
a) terra roxa.
b) látex.
c) pantanal.
d) calcário

15 O relevo brasileiro não apresenta elevadas altitudes. Cerca de 92% do espaço natural do país apresenta altitudes inferiores a 900 metros acima do nível do mar. Isso ocorre porque:
a) Predomina no país a ação dos agentes endógenos.
b) A formação geológica do Brasil é antiga.
c) Ocorrem frequentes terremotos, que aplainam o relevo.
d) A atividade humana atuou no sentido de degradar as formas antigas da superfície.
e) O Brasil localiza-se, em grande parte, nas zonas de encontro entre placas tectônicas.

16 - Sobre o relevo brasileiro, pode-se afirmar que:
I - o predomínio dos planaltos no Centro - Sul do Brasil é um dos responsáveis pelo elevado potencial hidroelétrico da região.
II - da interação entre as rochas do embasamento cristalino e o clima tropical úmido resulta a presença de solos de grande potencial erosivo.
III - os planaltos do Brasil Central apresentam, como características, as chapadas e os chapadões recobertos pela vegetação dos cerrados.
IV - as dificuldades oferecidas pelos planaltos, para a construção de ferrovias, explicam a quase inexistência deste meio de transporte no país.  
Assinale a alternativa correta.
a) Somente I, III e IV estão corretas.
b) Somente I, II e IV estão corretas.
c) Somente I, II e III estão corretas.
d) Somente II, III e IV estão corretas.
e) Todas estão incorretas.

17 - Refere-se ao relevo brasileiro:
I. As depressões foram geradas por processos erosivos ocorridos no contato das extremidades das bacias sedimentares com os maciços antigos.
II. Os planaltos, em sua maioria, apresentam-se como formas residuais, ou seja, restos de antigas superfícies erodidas, que oferecem maior resistência ao desgaste.
III. As planícies correspondem a uma pequena extensão do território, em áreas mais planas, formadas pela deposição de sedimentos.  
Assinale a alternativa correta.
a) Apenas as afirmativas I e II estiverem corretas,
b) Apenas as afirmativas I e III estiverem corretas.
c) Apenas as afirmativas II e III estiverem corretas.
d) Todas as afirmativas estiverem corretas.
e) Todas as afirmativas estiverem incorretas.

18. Segundo Aziz Nacib Ab Saber, geógrafo, o relevo predominante no Brasil é:
a) Depressão Central.
b) Planícies e Terras Baixas.
c) Planalto Brasileiro.
d) Planície Costeira.
e) Planalto das Guianas.

19. Quais as unidades do relevo brasileiro que, de acordo com a gênese, segundo Ross, são resultantes de deposição de sedimentos recentes de origem marinha, lacustre ou fluvial?
a) Planícies.
b) Depressões.
c) Planaltos cristalinos.
d) Planaltos orogenéticos.

20. 
Às áreas planas oriundas da combinação de processos de deposição fluvial e marinha, geralmente sujeitas a inundações periódicas, sendo revestidas por mangues, dá-se o nome de:
a) planície fluvial.
b) planície flúvio-lacustre.
c) planície flúvio-marinha.
d) planície de erosão.

21. Na classificação do relevo brasileiro, elaborada pelo Prof. Jurandyr S. Ross, a Planície Amazônica:
a) mantém as mesmas dimensões das classificações anteriores.
b) é substancialmente ampliada em relação à classificação de Aziz Ab Saber.
c) desaparece.
d) limita-se aos trechos que margeiam os grandes rios da região.
e) interliga-se à Planície do Pantanal.

22. Sobre o domínio amazônico, assinale a alternativa falsa:
a) Compõe-se em sua maior parte por baixos planaltos e planícies.
b) A hidrografia é riquíssima, com furos, igarapés, paranás-mirins e lagos da várzea.
c) Devido à riqueza mineral orgânica das águas dos rios é grande a piscosidade.
d) Devido à exportação de peixes a matança tem-se descontrolado, colocando em risco várias espécies.
e) O solo amazônico tem-se mostrado fertilíssimo, prestando-se a monocultura exportadora.


23. A classificação de Aroldo de Azevedo reconhece apenas duas formas de relevo do território brasileiro: planalto e planície. Nesse sentido assinale a alternativa que contém, apenas, formas de planalto da superfície brasileira:
a) Planalto Brasileiro, Planalto das Guianas, Planalto do Pantanal.
b) Planalto Central, Planalto Atlântico, Planalto Amazônico e Planície Costeira.
c) Planalto Meridional, Planalto das Guianas, Planície do Pantanal e Planície Costeira.
d) Planalto Central, Planalto Atlântico, Planalto Meridional e Planalto das Guianas.
e) Planalto e Chapada dos Parecis, Planaltos Residuais Sul-Amazônicos, Planaltos e serras de Goiás-Minas e Planície do Pantanal.

24. A proposta de Ross (1989) da macrocompartimentação do relevo brasileiro estabelece novas extensões para as três unidades geomorfológicas constituintes: os planaltos, as planícies e as depressões. Entre exemplos dessas unidades, aquele que possui uma área bem menor do que se considerava há alguns anos, denomina-se:
a) Planície do rio Amazonas.
b) Pantanal mato-grossense.                       
c) Depressão do São Francisco.
d) Depressão periférica central.
e) Planaltos residuais sul-amazônicos.




9 ANO RESUMO PROVA DISCURSIVA