quarta-feira, 14 de novembro de 2018

8º ANO - CANADÁ E MÉXICO




CANADÁ

Localizado na porção setentrional do continente americano e é o segundo maior país do mundo, com área territorial de 9 984 670 km2.

É dividido em dez províncias e três territórios e sua capital é Ottawa, localizada na província de Ontário.

Em 2014, contava com, aproximadamente, 34,8 milhões de habitantes. Sua densidade populacional é considerada baixa, em torno de 3,4 habitantes por km², o que o configura como um país pouco povoado.

Em virtude das características de seu processo de colonização, o Canadá tem duas línguas oficiais: o inglês, falado por cerca de 58,7% da população, e o francês, falado por pouco mais de 22%.

Além dessas, outras línguas, como italiano, chinês, alemão e espanhol, também são bastante faladas pela população ao longo do território.

Em 2012, 81% da população vivia em zonas urbanas.

A distribuição da população canadense pelo território envolve elementos naturais, como o clima e a localização geográfica.

 Os principais climas são: frio e polar. Este climas só ocorrem por conta da localização geográfica em  elevadas latitudes do Hemisfério Norte ou seja no polo norte.

As maiores densidades populacionais ocorrem em uma faixa localizada ao longo da fronteira com os Estados Unidos, na porção sul do país.

A região sudeste, no entorno dos Grandes Lagos  é a de maior densidade demográfica ou seja, a mais densamente povoada.

Na porção ocidental, destaca-se a cidade de Vancouver, com população superior a 2,2 milhões de habitantes.

O Canadá apresenta um dos mais elevados padrões de vida de todo o mundo.

A expectativa de vida da população é de 81 anos, e o sistema educacional é bastante desenvolvido.


Em 2014, ocupava a oitava posição no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Sua renda per capita está entre as maiores do mundo, com US$ 41.888,00 ao ano.

As cidades mais populosas estão localizadas ao longo do vale do Rio São Lourenço;

O Rio São Lourenço que foi utilizado como via para a ocupação do interior do país durante o processo de colonização.

Ao longo do vale do Rio São Lourenço destacam-se Toronto, com mais de 5 milhões de habitantes, e Montreal, com mais de 3,5 milhões de residentes.

Uma característica particular dos grandes centros urbanos canadenses, como Toronto e Montreal, é a existência de “cidades subterrâneas.

As cidades subterrâneas são construções feitas no subsolo com aproximadamente, 30 km de corredores que contam com sistema de transporte, centenas de lojas e escritórios.

As cidades subterrâneas são bastante utilizadas durante todo o ano, sua importância aumenta no inverno devido ao fato de serem aquecidas e livres das nevascas, comuns durante a estação fria, essas construções também atuam como abrigos, uma vez que as temperaturas médias da região podem chegar a –9ºC.
A ECONOMIA CANADENSE

A economia canadense sofre grande influência de seu vizinho do sul, principalmente no que se refere ao comércio internacional.

Os Estados Unidos e Canadá mantém importante relação comercial com o bloco da União Europeia, com a China, Japão e o México, seu parceiro no Nafta.

Produtos agropecuários exportados pelo do Canadá: Canola, trigo, carne de porco e de soja.

Produtos agropecuários Importados pelo do Canadá: Alimentos processados e vinho.

Produtos manufaturados exportados pelo do Canadá: Veículos, peças automotivas, máquinas, equipamentos, produtos de alta tecnologia e de combustíveis. (como óleo e gás natural).

PRODUTOS MANUFATURADOS IMPORTADOS PELO DO CANADÁ:

Os produtos de origem florestal também apresentam peso significativo nas exportações canadenses, uma vez que grande parte do território do país é coberta pela floresta de coníferas, sendo a indústria de papel altamente desenvolvida.

Canadá conta com importantes jazidas de recursos minerais: De gás natural, petróleo, ouro, carvão, cobre, minério de ferro, níquel, urânio e zinco.

As principais zonas industriais localizam-se nas áreas que apresentam maior adensamento populacional, principalmente no entorno das cidades de Toronto e de Ottawa, na porção oriental, e de Vancouver, na porção ocidental do país.

Canadá também se destaca na produção e na venda de aeronaves de médio porte para uso na aviação civil.

A empresa canadense Bombardier disputa com a brasileira Embraer fatias desse importante mercado global.

Tem um sistema de transporte versátil e eficaz , isto é fundamental para que a economia se desenvolva.

O Canadá enfrenta problemas climáticos, sendo necessária a remoção de neve de ferrovias, de estradas e de pistas de aeroportos.

O transporte hidroviário também sofre com o clima frio, uma vez que alguns rios congelam no inverno.

Outros elementos naturais, como áreas montanhosas e escarpadas, também dificultam a implantação de redes de transporte.

Mesmo com todas dificuldades o Canadá conta com um dos mais bem estruturados sistemas de transporte do mundo, o que torna suas atividades econômicas competitivas, pois os produtos são transportados com relativa facilidade até portos e aeroportos, de onde são exportados para diversos países

Outro campo em que o país tem se destacado é na produção de energia, sendo um grande exportador desse importante insumo.


O Canadá pode ser classificado como um país bastante desenvolvido, tanto do ponto de vista tecnológico quanto do econômico e do social.

Investimentos nas áreas de educação e de saúde possibilitaram grandes avanços, na qualidade de vida dos canadenses.

 MÉXICO

É um país emergente, o México é a segunda maior economia da América Latina, ficando atrás apenas do Brasil.

FAZ FRONTEIRA COM:

Estados Unidos, ao norte;

Guatemala e o Belize, ao sul

Oceano Atlântico a Leste;

Oceano Pacifico a Oeste;

Sua área territorial é de 1 964 375 km2 e sua população, em 2013, era de 122 332 399 habitantes, o que confere ao país uma densidade populacional de 62,3 hab/km²;

O México apresenta economia bastante integrada com a dos Estados Unidos;

A maior parte do que o México negocia no mercado internacional tem destino ou se origina nos Estados Unidos.

Com o Nafta, os Estados Unidos providenciaram uma forma de explorar a mão de obra barata dos trabalhadores mexicanos sem que estes precisassem passar a fronteira entre os dois países.

As empresas estadunidenses implantaram unidades produtivas em território mexicano ao longo das faixas de fronteira. Chamadas de maquiladoras;

Industrias maquiladoras é um nome dado em função da forma como atuam, essas empresas recebem peças produzidas nos Estados Unidos, as quais são usadas para montar bens de consumo.

Na Industrias maquiladoras  o produto não é produzido, mas, sim, montado no México fae uma “maquiagem” na produção industrial do México.

Peças e produtos podem circular livremente entre México e Estados Unidos, o que não ocorre com pessoas.

Os Estados Unidos impõem barreiras para a entrada de mexicanos em seu território, temendo que ocorra uma maciça migração dos mexicanos.

Em geral, o deslocamento de mexicanos em direção aos Estados Unidos é motivado pela busca de novas perspectivas de trabalho e de renda.

O México vem enfrentando problemas sociais, como salários baixos e poucas oportunidades de desenvolvimento para parte de sua população.

Um fator que contribui para o desenvolvimento da economia mexicana é o fato de o país ser um grande produtor de petróleo, sendo autossuficiente dessa importante commodity;

O petróleo corresponde a cerca de 20% do total de suas exportações mexicanas;
Sua produção é de, aproximadamente, 2,5 milhões de barris por dia, exportando mais da metade desse total para os ESTADOS UNIDOS.

O turismo contribui com a economia do México, que apresenta belas praias localizadas no Mar do Caribe.

Atrações culturais dos povos pré-colombianos, como os maias e os astecas, atraem milhares de turistas todos os anos, gerando muita riqueza para o país.

De acordo com dados da Organização Mundial do Turismo, instituição ligada à Organização das Nações Unidas (ONU), o México recebeu, em 2013, mais de 23,7 milhões de turistas.

terça-feira, 6 de novembro de 2018

9º ANO DESMATAMENTO



CONCEITO DE DESMATAMENTO: Entende-se por desmatamento, também chamado de desflorestamento ou desflorestação, o processo de remoção total ou parcial da vegetação em uma determinada área.

Geralmente, esse processo ocorre para fins econômicos, visando à utilização comercial da madeira das árvores e também para o aproveitamento dos solos para a agricultura e a pecuária. A atividade mineradora e a construção de barragens para hidrelétricas também aparecem como causas de tal ocorrência.


CAUSAS DO DESMATAMENTO

O desmatamento, embora seja uma ação antrópica (humana), não é feito por acaso. Existem alguns motivos que provocam ou intensificam a ocorrência desse problema, entre os quais, podemos mencionar:
a) Expansão agropecuária: o avanço das áreas agricultáveis e da fronteira agrícola provoca o avanço das atividades humanas sobre o meio natural, fazendo com que áreas inteiras de matas sejam substituídas por pastagens, campos agrícolas ou áreas rurais à espera de valorização financeira.
b) Atividade mineradora: a prática da mineração também é um dos grandes fatores responsáveis pela devastação das florestas, pois áreas inteiras são devastadas para a instalação de equipamentos e atividades de exploração de reservas dos mais diversos minérios, tais como o ouro, a prata, a bauxita (alumínio), o ferro, o zinco e muitos outros.
c) Maior demanda por recursos naturais: há, no mundo, um aumento exagerado do consumismo, com uma maior procura por matérias-primas e, consequentemente, por recursos naturais. Assim, os bens oferecidos pela natureza são explorados cada vez mais intensamente, com destaque para a madeira, o óleo de palma e demais elementos, que, quando retirados, provocam a destruição das florestas.
d) Crescimento da urbanização: com o incremento da urbanização tanto no Brasil como no mundo, as áreas verdes localizadas tanto nas áreas ao redor das cidades quanto dentro dos limites urbanos são removidas para a construção de moradias, empreendimentos, prédios, indústrias e muitos outras formas de intervenção do homem sobre o seu espaço.
e) aumento das queimadas: acidentais ou intencionais, as queimadas criminosas sobre áreas naturais vêm se alastrando, com frequentes notícias a respeito surgindo nos jornais e revistas. Em tempos de estiagem, a vegetação fica mais seca e o fogo alastra-se com maior facilidade, de forma que qualquer faísca, dependendo da localidade, pode provocar uma verdadeira catástrofe.


CONSEQUÊNCIAS DO DESMATAMENTO

São várias as consequências e impactos gerados pelo desmatamento, haja vista que a intervenção do homem sobre o meio natural fatalmente acarreta desequilíbrios. Dentre tais problemas, podemos citar:
a) Perda da biodiversidade: com a destruição das florestas, o habitat natural de muitas espécies torna-se escasso ou inexistente, contribuindo para a morte de muitos animais e até mesmo a extinção dos tipos endêmicos, aqueles que só se encontram em localidades restritas. Tal configuração traz problemas para a cadeia alimentar e pode impactar até atividades econômicas, tais como a caça e a pesca.
b) Erosão dos solos: sem as árvores, o solo de muitas localidades fica desprotegido, sendo facilmente impactado pela ação dos agentes erosivos, tais como a água das chuvas e dos rios, além de outros elementos. Com a consequente erosão, ocorre a perda de muitas áreas.
c) Extinção de rios: a remoção das florestas provoca a destruição, em alguns casos, de nascentes que alimentam os rios. Além disso, as áreas de encosta, nas margens dos cursos d'água, sofrem com o aumento da erosão, o que faz com que mais terra e rochas sejam “jogadas” no leito dos rios, o que provoca o seu enfraquecimento.
d) Efeitos climáticos: o clima e as temperaturas dependem das condições naturais. Muitas florestas contribuem fornecendo umidade para o ambiente, de forma que a retirada dessas implica a alteração do equilíbrio climático de muitas regiões, isso sem falar na intensificação do efeito estufa.
e) Desertificação: além das erosões, os solos podem sofrer com a ausência da vegetação. Em áreas áridas e semiáridas, pode ocorrer a desertificação, com a perda de nutrientes do solo, além do processo de arenização, que ocorre em regiões de clima úmido e de solos arenosos.
f) Perda de recursos naturais: os recursos naturais, mesmo aqueles renováveis, podem entrar em escassez com o desmatamento. É o caso da água, madeira, além de inúmeras matérias-primas medicinais retiradas a partir do extrativismo vegetal.




quarta-feira, 17 de outubro de 2018

1º ANO CONCEITOS - HIDROGRAFIA



CONCEITOS: 

HIDROGRAFIA: É o ramo da geografia que estuda os oceanos, mares, geleiras, água do subsolo, lagos, água da atmosfera e rios.

REDE HIDROGRÁFICA: É o conjunto dos rios e afluentes de uma região.

BACIA HIDROGRÁFICA: É uma área drenada ou banhada por um rio principal e seus afluentes.

RIO: É um curso de água que se mantém constante em seu fluxo , durante todas as estações do ano.

AFLUENTE: Todo rio que deságua em outro rio é chamado de afluente.
MARGEM: um dos lados de um rio.
CURSO: caminho percorrido entre a nascente e a foz.
JUSANTE: Parte do rio mais próxima da foz
MONTANTE: Parte do rio mais próxima da nascente.
DIVISORES DE ÁGUAS: limites entre as bacias.
NASCENTE: local onde surge um rio.
FOZ: onde termina um rio. Pode ser estuário ou delta
MEANDROS: curvas dos rios.
HIDROVIA: É uma via por onde circulam barcos, elas podem ser instaladas em rios, mares, represas e lagos.
DIVISOR DE ÁGUA: É o limite que define as diferentes bacias, são as elevações no relevo que separam as águas pluviais que alimentam os rios.
ECLUSA: É um reservatório em forma de caixa que possibilita, por enchimento e esvaziamento, uma embarcação transpor uma diferença de nível de um rio, lago, represa, etc.
AS BACIAS HIDROGRÁFICAS DO BRASIL: Bacia Amazônica, Bacia do Tocantins - Araguaia, Bacia Platina ou da prata, Bacia do são Francisco, Bacia Atlântico Sul - Trechos Norte e Nordeste, Bacia Atlântico Sul - Trecho Leste e Bacia Atlântico Sul - Trechos Sudeste e Sul.

TIPOS DE REGIME DE ABASTECIMENTO DOS RIOS Pluvial, Nival e Misto

Pluvial: Quando um rio é abastecido pelas águas das chuvas;

Nival: Quando um rio é abastecido pelas águas do derretimento das neves;

Misto: Quando um rio é abastecido pelas águas das chuvas e do derretimento das neves;

OS TIPOS DE DRENAGEM DE UM RIO

EXORRÉICA: quando o escoamento das águas se faz de modo contínuo até o mar ou oceano, isto é, quando as bacias desembocam diretamente no mar; Ex : Rio Uruguai.

ENDORRÉICA: Quando as drenagens são internas e não possuem escoamento até o mar, desembocado em lagos ou dissipando-se nas areias do deserto, ou perdendo-se nas depressões cársticas. Ex : Rio Jacuí.

CRIPTORRÉICA: Quando as bacias são subterrâneas, como nas áreas cártsicas. A drenagem subterrânea acaba por surgir em fontes ou integrar-se em rios subterrâneos.

ARRÉICA: Quando não há nenhuma estruturação em bacias hidrográficas, como nas áreas desérticas onde a precipitação é negligenciável e a atividade eólica nas dunas é intensa, obscurecendo as linhas e os padrões de drenagem.

OS TIPOS DE ESCOAMENTO DOS RIOS:

Rio perene: É o tipo de rio que apresentam volume de água o ano todo, não seca.

Rio temporários ou intermitentes: É o tipo de rio cujos leitos secam durante certo período do ano.

Rios efêmeros: É o tipo de rio que suas águas só ocorrem em períodos de fortes chuvas, também é conhecido como torrentes.

TIPOS DE RELEVO DE UM RIO
Rios de planalto: são rios que apresenta grandes desníveis em seu curso (cachoeira), tem fluxo de água mais forte devido as quedas d’água em seu percurso. 
Por apresentarem uma grande diferença de nível altimétrico entre sua nascente e a sua foz, esses rios são considerados ideais para a geração de eletricidade (hidroelétrica),
Rios de planície: são rios que apresentam um curso mais regular, relevo mais ou menos plano por isso, o fluxo de água mais lento que o rio de planalto, são muito utilizados para navegação, quase nunca utilizado para geração de hidroeletricidade. 
Os rios de planície mais antigos costumam apresentar canais cheios de meandros, ou seja, com “curvas” muito frequentes e acentuadas, a exemplo do Rio Amazonas.
 ECLUSA: É um reservatório em forma de caixa que possibilita, por enchimento e esvaziamento, uma embarcação transpor uma diferença de nível de um rio, lago, represa, etc.

MONTANTE E JUSANTE DE UM RIO:

Montante: É qualquer parte do rio próximo à sua nascente.

Jusante: É qualquer parte do rio próximo à sua foz.

HIDROVIA: A hidrovia é uma via por onde circulam barcos, elas podem ser instaladas em rios, mares, represas e lagos.
BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASILEIRAS

BACIA AMAZÕNICA;

BACIA DO TOCANTINS – ARAGUAIA;

BACIA DO SÃO FRANCISCO;

BACIA DO ATLÂNTICO SUL – TRECHO NORTE /NORDESTE

BACIA DO ATLÂNTICO SUL– TRECHO LESTE

BACIA DO ATLÂNTICO SUL– TRECHO SUL/SUDESTE

BACIA DO PRATA OU PLATINA – PARAGUAI, URUGUAI E PARANÁ;

BACIA AMAZÔNICA:

- É a maior bacia hidrográfica do mundo;

- Tem aproximadamente 7 000000 km2 de área;

- No Brasil cobre uma área de 3,8 milhões de km2 nos estados do Acre, Amazonas, Roraima, Rondônia, Mato Grosso, Pará e Amapá.

- A Bacia Amazônica na América do Sul abrange os seguintes países: Bolívia, Peru, Equador, Colômbia, Venezuela e Guiana. 

- O volume de água do rio Amazonas, é extremamente elevado;

- Descarrega, no Oceano Atlântico, aproximadamente 20% do total de água doce que chega aos oceanos em todo o planeta.

- É responsável por 1/5 da água doce que existe no mundo.

- Esse fato faz com que exista um interesse internacional na preservação dessa bacia.

- É uma importante via de comunicação e transporte para a população local;

- O Amazonas é um rio de planície, perene, misto, exorréica;

- A largura deste rio é variável, podendo chegar a mais de 40 km.

Por ser atravessado pela Linha do Equador, esse rio apresenta afluentes nos dois hemisférios do planeta.


BACIA DO TOCANTINS - ARAGUAIA:

- É a maior bacia hidrográfica inteiramente situada em território brasileiro.

- Seu principal rio é o Tocantins, cuja nascente está localizada no estado de Goiás, ao norte da cidade de Brasília. –

- O Rio Tocantins desemboca no Delta Amazônico e é, ao mesmo tempo, um rio de planície e planalto.

- Do ponto de vista econômico serve para ser utilizado tanto para a navegação quanto para a produção de energia.

- A ação humana ao longo da Bacia do Tocantins - Araguaia

- Nesta bacia, foi construída a Usina Hidrelétrica de Tucuruí, na década de 70 do século XX.

- A construção de Usina Hidrelétrica de Tucuruí causou grande impacto ambiental na região.

- Atualmente, as atividades ligadas à agropecuária e ao extrativismo mineral e vegetal têm contribuído para a degradação do ambiente local.

- Nessa bacia, encontra-se a maior ilha fluvial do mundo - a Ilha do Bananal;

Impactos socioambientais provocados pela construção da Usina Hidrelétrica de Tucuruí:

- Redução da vazão da água nos rios;

- Interrupção do transporte fluvial em alguns trechos;

- Remanejamento de diversas famílias que viviam em áreas que foram alagadas.

BACIA SANFRANCISCANA (OU DO SÃO FRANCISCO):

- O Rio São Francisco nasce em Minas Gerais, na Serra da Canastra;

- Banha os estados de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe;

- É o mais extenso rio 100% brasileiro;

- Também e chamado de Velho Chico;

- Possui grande importância política, econômica e social para o Nordeste;

- É utilizado para irrigar importantes áreas agrícolas da região, produzir energia, além de fornecer água para os habitantes.

- É navegável desde Pirapora, em Minas Gerais, até a barragem de Itaparica entre os estados da Bahia e de Pernambuco;

- Há hidrelétricas com grandes lagos e a eclusa de Sobradinho;

- É utilizado para o abastecimento de importantes cidades nordestinas;

- Tem um importante e polêmico sendo implantado em sua bacia – A Transposição ou desvio das águas do Rio São Francisco;

- O principal objetivo é levar água para os rios que secam em períodos de estiagem;

- O projeto de Transposição enfrenta forte resistência da sociedade e dos ambientalistas, em virtude dos impactos ambientais que esse projeto pode provocar em todo o Nordeste.

BACIA PLATINA OU BACIA DO PRATA:

- É formada pelas sub-bacias dos rios Paraná, Paraguai e Uruguai;

Banha áreas do Brasil, Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai;

 O Rio Paraná é formado pela junção dos rios Grande e Paranaíba e possui como principais afluentes os rios Paraguai, Tietê, Paranapanema, Ivaí e Iguaçu.

O Rio Paraná é utilizado como limite entre o Brasil e o Paraguai, onde foi implantada a Usina Hidrelétrica Binacional de Itaipu, que é a maior do planeta;.

A maior parte da energia produzida pela Usina de Itaipu é destinada à Região Sudeste, principal pala industrial do país.

São as usinas de menor potencial hidrelétrico que fornecem energia para a Região Sul, como a:
Usina de:Porto Primavera (SP), 
Usina de Marimbondo (entre SP e MG), 
Usina Hidrelétrica Dona Francisca (RS), 
Usina Hidrelétrica de Segredo (PR), entre outras.


OS RIOS DA BACIA DO PARANÁ ESTÃO LOCALIZADOS PRÓXIMO A IMPORTANTES ÁREAS ECONÔMICAS:

- Buenos Aires e Rosário, na Argentina;

- Estados de São Paulo e do Paraná, partes dos estados de Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Goiás, no Brasil;

- Montevidéu, no Uruguai; e Assunção, no Paraguai.

É uma bacia extremamente importante do ponto de vista econômico para a região.

Na área da Bacia do Paraná, existem inúmeras indústrias instaladas, Automobilísticas, alimentícias e de cerâmica;

Importantes centros urbanos, como São Paulo ê Curitiba;

Desenvolvidas áreas agropecuárias, como Chapecó, Cascavel, Maringá, Ribeirão Preto. São José do Rio Preto e Presidente Prudente.

Os rios dessa bacia são intensamente utilizados para o escoamento de mercadorias, além do consumo em indústrias, residências, irrigação de áreas agrícolas, entre outros;

A hidrovia, a Paraguai-Paraná é um projeto que faz a ligação fluvial entre o Porto de Cáceres, em Mato Grosso, e o Porto de Nueva Palmira, no Uruguai, aproximadamente 3 400 km de extensão.

Do ponto de vista econômico, a construção dessa hidrovia possibilitou e facilitou o transporte de mercadorias.

A hidrovia Paraguai-Paraná: serve de elo entre os países do bloco MERCOSUL,


ROTEIRO DE QUESTÕES CAPÍTULO 01