quinta-feira, 31 de agosto de 2017


CAPÍTULO 10  -  PÁGINA 20

01. Europa, Ásia e Norte Da África;

02. Ao aperfeiçoamento de suas técnicas, pretendiam aumentar a precisão das navegações e encontra novas rotas marítimas para o oriente;

03. Não, os europeus conquistaram a América, uma vez que já viviam povos, que foram por eles dominados.

04. Foi uma homenagem dada ao navegador Italiano Américo Vespúcio, por ter sido o primeiro a reconhecer que a descoberta de Colombo tratava se de um continente.

05. Foi feita a partir do Tratado de Tordesilhas, o qual determinava que as terras situadas até 370 léguas a leste de Cabo Verde pertenciam a Portugal, e as terras a oeste dessa linha pertenciam a Espanha.

06. As áreas mais ricas principalmente onde existiam recursos minerais, como ouro, cobre e pedras preciosas.

07. O tempo gasto na viagem, que ultrapassou um mês, e a vastidão das áreas a serem colonizadas. O território colonial da Espanha na América era 75 vezes maior que o território espanhol na Europa.

08. Grã-Bretanha, Dinamarca, Países Baixos, França, Portugal e Espanha.

09. Espanha.


PÁGINA 25

01. Americano;

02. Sim, ao Estados Unidos da América.

03. É Utilizado o gentílico associado ao continente em referência a nacionalidade das pessoas nascidas nos Estados Unidos da América. Na verdade são americanos todos os que nascem na América

04. Estadunidense seria o mais adequado, pois o gentílico mais frequentemente usado é o norte-americano, que é impreciso também, pois nesta região ainda tem o Canadá e o México.


CAPÍTULO 11  -  PÁGINA 34.

1. a) Há cerca de 17 mil anos, habita o Norte do continente e 14 mil anos a região mais ao sul.

b) A extinção dos Mamutes é um exemplo, pois ocorreu há cerca de 11 mil anos, quando o ser humano dispunha de armas mais simples, como armas feitas de pedra.

2. 
a) Cordilheiras 

b) Andes

c) Planícies

d) Pico da Neblina

e) Venezuela.

f) Círculo de fogo do Pacífico.

g) Zona de Subducção

h) Mckinley

i) Laurenciano

j) Montanhas Rochosas;

k) Mississipi

l) Aconcágua

m) Amazônica

n) Orogênico

o) Litorâneo

03. As alternativas corretas são: A, C e D.

A alternativa B está incorreta quando afirma que a Laurásia é ao Sul, quando na realidade é ao Norte. A alternativa afirma, também, que a Gondwana é ao Norte, quando na realidade é ao Sul;

 A alternativa está incorreta quando afirma que os CRÁTONS são formações recente, quando na realidade os crátons são estruturas muito antigas e desgastadas pela erosão;

PÁGINA 40.

a) Subtropical       
b) Equatorial   
c) Temperado    
d) Semiárido.  
 e) Mediterrâneo.    
f) Polar   
 g) Frio  
h) Desértico

PÁGINA 46

 As regiões mais densamente povoadas dos Estados Unidos e do Canadá apresentam maior nível de desflorestamento;

As regiões de menor ocupação na Floresta Amazônica apresenta maior área preservada.

Porções da Floresta Boreal no Canadá estão bem Preservadas em função da baixa densidade populacional ali encontrada.










quarta-feira, 30 de agosto de 2017

8º ANO ATIVIDADE AMÉRICA: CARACTERÍSTICAS NATURAIS

AMÉRICA: CARACTERÍSTICAS NATURAIS
01. Sobre a formação continental, analise as alternativas abaixo e assinale V nas verdadeira e F nas falsas.
(    ) Gondwana formou a África, Índia, América do Sul e Austrália;
(    ) Há cerca de 113 milhões de anos, devido a divergência das placas tectônicas que forma a dorsal mesoatlântica, inicia a formação do oceano Atlântico;
(    ) O Istmo que liga a américa do Norte a do Sul, chamamos de América Central e foi formado a 65 milhões de anos.
(    ) As rochas mais antigas do continente americanos tem 4 bilhões de anos, foram formadas muito antes da fragmentação da pangeia.
(    ) O material erodido nas áreas de crátons formaram as bacias sedimentares e nelas encontramos petróleo, gás natural, carvão mineral e xisto betuminoso.

02. O relevo americano é bastante antigo e é dividido em três partes, cites as e explique uma delas.
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

03. Sobre as grandes cadeias de montanhas do Oeste, analise as alternativas abaixo e assinale V nas verdadeira e F nas falsas.
(   ) A costa Oeste do continente americano (oceano Atlântico) apresenta grande atividade sísmica;
(   ) Faz parte do círculo de fogo do Pacífico( maior quantidade de vulcões ativos do planeta), além da américa abrange a parte oriental da Ásia;
(   ) As grandes montanhas são formadas a partir dos movimentos convergentes das placas tectônicas que provocam os dobramentos modernos;
(   ) A Orogêneses ou processo orogênico é o nome que se dá ao processo de formação de uma ou mais montanha a partir da convergência de placas tectônicas;
(   ) Na América as cordilheiras formaram -se a cerca de 70 milhões de anos;
04. Sobre as planícies do continente americano cite suas características gerais.
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
05. Em relação a planície do Continente americano relacione as colunas:
1. AMÉRICA DO NORTE
2. AMÉRICA DO SUL
(   ) Ocupa a maior parte da região central dos Estados Unidos, até as montanhas Rochosas.
(   ) Nela encontra-se a bacia do rio Mississipi, rio principal com 3765 k de extensão.
(   ) Nesta planície o rio mais extenso e o Missouri com 4087km de extensão.
(   ) O rio Mississipi e o Missouri com seus milhares de afluentes formam o sistema fluvial Mississipi – Missouri, o qual drena uma área de 3.200.000 km2;
(   )  Destaca-se a planície Amazônica drenada pelo rio Amazonas e seus afluentes; É a maior bacia hidrográfica do mundo com Tem área aproximadamente de 7 milhões de km2 de área;

06. Em relação as outras planícies que são destaques na América do Sul, cite as principais características da planície PLATINA  e do ORINOCO.
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
07. Analise as alternativas abaixo e relacione as colunas:
1. PLANÍCIES LITORÂNEAS
2. PLANALTOS E MONTANHAS ANTIGAS DO LESTE
(   ) Ocupam estreitas faixas, contudo em alguns locais podem chegar a 200 km de largura;
(   ) São genericamente chamadas de planície costeira;
(   ) Estão associadas aos escudos cristalinos continentais, os quais passaram por um processo orogênico antigo, entre 4 e 2 bilhões de anos;
(   ) Na América do Sul destaca-se o Escudo Brasileiro com estrutura de rocha cristalina (magmática/metamórfica)
(   ) Acompanham a costa e recebem sedimentos trazidos pelos rios e pelo mar;
  

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

8º ANO CAPÍTULO 11 - RESUMO



A FORMAÇÃO CONTINENTAL
Tem mais de 40 milhões de km e  suas terras estão localizadas no hemisfério ocidental (Oeste);
Tem 14 mil km de extensão, vai do extremo norte do Canadá até o sul do Chile e da Argentina na Patagônia;
Obs: PANGÉIA: todos os continentes eram juntos no mesmo bloco continental;
Há 225 milhões de anos a pangeia dividiu se em duas partes. Laurásia, ao norte, e Gondwana, ao sul.
A Laurásia era composta de terras que formaram a Europa, Ásia e América do Norte.
Gondwana formou a África, Índia, América do Sul, Austrália e Antártica
Há cerca de 135 milhões de anos, devido a divergência das placas tectônicas que forma a dorsal mesoatlântica, inicia a formação do oceano Atlântico;
O Istmo que liga a américa do Norte a do Sul, chamamos de América Central e foi formado a 65 milhões de anos.
As rochas mais antigas do continente americanos tem 4 bilhões de anos, foram formadas muito antes da fragmentação da pangeia.
As áreas que encontramos rochas cristalinas muito antigas chamamos de crátons ou escudos cristalinos
- nelas encontramos minerais metálicos, metais preciosos e pedras preciosas.
- apresenta baixa altitude devido ao longo tempo de exposição a erosão;
- Eles apresenta altitude inferior a 1000 metros.
O material erodido nas áreas de crátons formaram as bacias sedimentares e nelas encontramos petróleo, gás natural, carvão mineral e xisto betuminoso.
O RELEVO AMERICANO
O relevo americano é dividido em três áreas diferentes.
1. Oeste ou Ocidental – destacam se nesta área as grandes cordilheiras de formação recente, as quais são:
- Cordilheira dos Andes América do sul;
- Serra Madre no México;
- Montanhas Rochosas no Canada e EUA
2. Central – predominam as planícies e depressões;
-  Planícies Centrais (América do Norte);
-  As planícies e depressões da Amazônia;
-  A Planície do Pantanal e a Depressão do Chaco (América do Sul).
3. Leste ou Oriental – Ocorrem planaltos e montanhas Antigas muito desgastadas pelo processo erosivo.
-  Planalto Laurenciano (Canadá);
-  Montes Apalaches (Estados Unidos);
-  Planalto das Guianas e Planalto Brasileiro (América do Sul).
AS GRANDES CADEIAS DE MONTANHAS DO OESTE;
A costa Oeste do continente americano (oceano Pacífico) apresenta:
Grande atividade sísmica;
Limites de placas convergentes, transformantes e divergentes;
Faz parte do círculo de fogo do Pacífico( maior quantidade de vulcões ativos do planeta), além da américa abrange a parte oriental da Ásia;
As grandes montanhas são formadas a partir dos movimentos convergentes das placas tectônicas que provocam os dobramentos modernos;
A Orogêneses ou processo orogênico é o nome que se dá ao processo de formação de uma ou mais montanha a partir da convergência de placas tectônicas;
Na América as cordilheiras formaram -se a cerca de 70 milhões de anos;
Na América do Sul as cordilheiras dos Andes formaram se a partir da convergência da placa de Nazca e Sul-Americana;
Obs. -  A placa oceânica é mais densa que a placa continental, por isso a placa oceânica afunda sobre a continental formando uma zona de subducção, que forma as fossas oceânicas.
CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS PLANÍCIES NA AMÉRICA
A região central e costeira (litoral) da América apresenta relevo com baixa altitude, nunca superior a 600 metros de altitudes, como as planícies;
Estas áreas foram formadas (esculpidas) pela ação das geleiras na última era glacial, pela ação dos ventos, rios, mares, lagos e etc.
A região central e costeira essas áreas recebem sedimentos de regiões próximas de maior altitude.
Na América do Norte destaca-se:
GRANDE PLANÍCIE CENTRAL:
AMÉRICA DO NORTE
Ocorre no sul do Canadá;
Ocupa a maior parte da região central dos Estados Unidos, até as montanhas Rochosas.
Nela encontra-se a bacia do rio Mississipi, rio principal com 37765 k de extensão.
Nesta planície o rio mais extenso e o Missouri com 4087km de extensão.
O rio Mississipi e o Missouri com seus milhares de afluentes formam o sistema fluvial Mississipi – Missouri, o qual drena uma área de 3.200.000 km2;
AMÉRICA DO SUL
Destaca-se a planície Amazônica:
Drenada pelo rio Amazonas e seus afluentes;
É a maior bacia hidrográfica do mundo;
Tem área aproximadamente de 7 milhões de km2 de área;
É delimitada pela Cordilheira dos Andes a Oeste (ocidente) e o Planalto das Guiana ao Norte (setentrional).
No Brasil cobre uma área de 3,8 milhões de km2 nos estados do Acre, Amazonas, Roraima, Rondônia, Mato Grosso, Pará, Amapá e Maranhão.
-A Bacia Amazônica na América do Sul abrange os seguintes países Guiana, Guiana Francesa, Suriname, Equador, Colômbia, Venezuela, Bolívia, Peru e Brasil.
O rio Amazonas nasce na Cordilheira dos Andes a oeste e coa foz no Oceano Atlântico a leste e tem 6992 km de extensão. (Maior rio em extensão e volume de água do planeta)
No Brasil tem 3000 km de extensão;
Quando entra no Brasil tem um desnível até sua foz de 85 metros, fato que o faz navegável (rio de planície).
OUTRAS PLANÍCIES DESTAQUES DA AMÉRICA DO SUL.
Planície Platina é banhada (drenada) por rios e outros recursos hídricos que formam a Bacia Platina estão presentes nos territórios dos seguintes países: Brasil, Paraguai, Argentina, Bolívia e Uruguai.
 Nesta bacia se encontra uma das maiores hidrelétricas do planeta a de Itaipu no rio Paraná, fronteira entre Brasil e Paraguai.
Planície do Orinoco na Venezuela e Colômbia, ocupa área do litoral do Oceano Atlântico até A Cordilheira dos Andes;
O Rio Orinoco Nasce no Planalto das Guianas e deságua no Mar do Caribe, ele tem 2100 km de extensão;
PLANÍCIES LITORÂNEAS
Ocupam estreitas faixas, contudo em alguns locais podem chegar a 200 km de largura;
Acompanham a costa e recebem sedimentos trazidos pelos rios e pelo mar;
São genericamente chamadas de planície costeira;
São destaques no sudeste dos Estados Unidos e no Norte do Brasil;
As áreas ocupadas pelas planícies costeiras são boas para o desenvolvimento do transporte hidroviário e atividades agrícolas;
A atividade agrícola é facilitada pelo relevo plano, o qual possibilita usar máquinas no processo produtivo. Este fato tem provocado grande degradação ambiental destas áreas;
PLANALTOS E MONTANHAS ANTIGAS DO LESTE
Os planaltos e montanhas antigas do leste ocorrem na América do Norte e do Sul;
Estão associadas aos escudos cristalinos continentais, os quais passaram por um processo orogênico antigo, entre 4 e 2 bilhões de anos;
São considerados relevo antigos, pois devido ao processo erosivo, são rebaixados e apresentam baixa altitude;
Na América do Sul destaca-se o Escudo Brasileiro com estrutura de rocha cristalina (magmática/metamórfica)
O Escudo Brasileiro é formado pelo Planalto Brasileiro e pelo Planalto das Guiana;
O Planalto Brasileiro é dividido em Planalto Meridional (sul), Planalto da Borborema ( No Litoral do Nordeste) e Planalto Central;
O Planalto das Guiana está localizado no Norte da América do Sul em terras do Brasil e da Venezuela;
O Planalto das Guiana apresenta os mais elevados picos em áreas de escudo cristalino da América, o pico da Neblina com 2994 metros de altitude, o ponto mais alto do Brasil;
Na América do Norte Os planaltos antigos ocorrem ao longo da costa do Oceano Atlântico;
O planalto Laurenciano no Canadá, e Montes Apalaches são os Principais da América do Norte;
Essas regiões são ricas em minerais metálicos como o ferro e o manganês.
CARACTERÍSTICAS MICROCLIMÁTICAS.
Características gerais do clima da América.
Tem grande variedade climática devido a sua grande extensão norte-sul;
Tem terras nas zonas climáticas Polar, temperada norte sul e Intertropical;
Os clima são influenciados pelo relevo, correntes marinhas, massas de ar, maritimidade e continentalidade.


CLIMA POLAR
Ocorre no extremo norte do continente, no Canadá e Alasca (EUA) E NA Groelandia.
As médias de temperatura são muito baixas ao longo do ano.
Apresenta neves eternas e glaciares.
CLIMA FRIO
Ocorre na maior parte do Canada, em uma faixa que se estende desde o Pacifico até terras pertencentes ao Alasca, na parte Oriental;
Nesta área forma se a massa de ar polar, que se desloca para o sul e provoca queda da temperatura nos Estados Unidos;
Áreas de clima frio Apresenta grande variação de temperatura durante o ano;
As temperatura nos messes quentes (julho a Agosto) tem média superior a 10ºC;
As temperatura nos messes frios (Dezembro e Janeiro) tem média inferior a - 20ºC;
CLIMA TEMPERADO
Ocorre em pequena faixa de terras no Oeste da América do Norte (Canadá e Estados Unidos);
Ocorre também o sul da América do Sul (Chile e Argentina);
Possui as quatros estações bem definidas;
O verão é relativamente quente e o inverno é frio;
Os meses mais quentes tem média de temperatura de aproximadamente 10°C e nos meses mais frios média de temperatura de -3ºC;
CLIMA MEDITERRÂNEO.
Ocorre em pequeno trecho da costa Oeste, nos Estados Unidos e do Chile;
Este clima diferencia do temperado pelo fato de apresentar duas estações;
Verão é seco e o Inverno e úmido(chuvoso);
As sua temperaturas anuais variam entre 10°C e 15°C;
CLIMA SUBTROPICAL
Este clima ocorre:
Na porção oriental dos Estados Unidos, no Brasil, No Uruguai e em parte da Argentina;
É influenciado pela massa de ar tropical marítima no verão e a massa de ar polar no inverno;
Apresenta as quatro estações bem definidas e os verões são quente com muita chuva e invernos frios com pouca chuva.
CLIMA DESÉRTICO
Ocorrer em pequenas faixas da América do Norte e do Sul;
Apresenta média anual de chuva abaixo de 250 mm;
O Deserto de Sonora encontra se na fronteira entre Estados Unidos e México, América do Norte;
O Deserto do Atacama, vai do norte do Chile a fronteira com o Peru;
Devido a altitude é considerado o mais árido(seco) deserto do mundo, pois as massas de ar úmidas  vindas do Pacífico não alcançam sua área;
Outro fator que faz o Atacama mais seco é a correte marinhas fria do Peru que diminui a evaporação.
CLIMA SEMIÁRIDO
Geralmente está associado ao clima desértico;
É uma transição entre o clima úmido e o desértico(seco);
Na América do Norte, ocorre no México, Estados Unidos, E Canadá;
Na América do Sul ocorre na Argentina e no Nordeste do Brasil;
CLIMA EQUATORIAL E TROPICAL
Localizam se na zona intertropical com temperatura alta e elevada média pluviométrica o ano todo;
O clima equatorial ocorre na faixa próxima a linha do Equador, América do Sul – Brasil, Venezuela, Guiana e Colômbia, na América Central e extremo sul do México.
CLIMA FRIO DE MONTANHA
Ocorre nas áreas ao longo das Cordilheiras dos Andes (América do Sul), Montanhas Rochosas (América do Norte);
Apresenta muita neve e temperaturas negativas ao longo do ano.



segunda-feira, 21 de agosto de 2017

7º ANO MEIO RURAL


O BRASIL RURAL

As grandes cidades brasileiras apresentam população numerosa. São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo, se somadas, representam aproximadamente 10% do total da população brasileira.

Entretanto, mais de 1/3 da população urbana brasileira vive em pequenas cidades com menos de 50 mil habitantes.

A agropecuária e a extração de produtos naturais são as principais atividades econômicas desenvolvidas no meio rural. Esses municípios geralmente não contam com serviços complexos, principalmente no que se refere à saúde, à educação e ao comércio.

A maior parte da população brasileira é urbana, uma expressiva porção dessa população urbana vive em pequenas cidades, as quais dependem diretamente de atividades realizadas no meio rural para se desenvolverem.

As atividades realizadas no campo são muito importantes do ponto de vista da macroeconomia, pois muitos produtos de origem agropecuária são exportados para diversos países, gerando recursos para a nossa economia.

Esses são alguns exemplos que demonstram a importância da zona rural, espaço fundamental no desenvolvimento de qualquer sociedade, responsável por atender a uma necessidade básica da população: o consumo de alimentos.

A modernização da agricultura brasileira

Até a década de 1960, antes da efetiva industrialização brasileira, a atividade rural era desenvolvida em bases rudimentares.

Contava com grande emprego de mão de obra e baixo uso de tecnologia.

A tração animal era largamente utilizada na época.

Nas pequenas propriedades, o principal objetivo era a produção para a subsistência, ou seja, a maior parte da produção era consumida pelo produtor e sua família, sendo classificada como agricultura familiar.

Apenas uma pequena parte da produção era comercializada.

Assim, com o dinheiro obtido, as famílias adquiriam os produtos industrializados, como tecidos, ferramentas utensílios

As grandes propriedades:

Eram destinadas à produção para a exportação, principalmente nas fazendas de café dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.
As fazendas de café tinha produção de forma artesanal, com o emprego de grande número de trabalhadores.

A chegada da indústria:
Transformou  a produção agrícola na sgrandes propriedades:

As propriedades destinadas à produção agrícola comercial monocultura voltada para abastecer os mercados externos, passaram a se desenvolver em ritmo bastante acelerado por conta doa mecanização, uso de máquinas.

Com modernização das grandes propriedades rurais por causa da industria, as propriedades rurais familiares se
tornaram inviáveis,

Os pequenos produtores não conseguiram mais vender seus produtos, pois a agricultura moderna produz, geralmente, em maior quantidade, com melhor qualidade e preços mais baixos.

As pequenas propriedades, principalmente aquelas localizadas em áreas propícias à prática da agricultura mecanizada, foram sendo adquiridas por grandes empresas agrícolas ou grandes fazendeiros.

A redução no número de pequenas propriedades e a substituição do uso de mão de obra por máquinas e tratores levaram a uma grande redução na possibilidade de trabalho e sustento na zona rural.

A mecanização das grandes proppriedades rurais provocou a migração dos trabalhadores do campo para as cidades em um processo chamado êxodo rural.
O processo de industrialização do Brasil favoreceu a formação das empresas agropecuárias, as quais correspondem às grandes propriedades que praticam a monocultura destinada a abastecer os mercados externos e indústrias que fazem uso de alta tecnologia na sua produção.

A agricultura familiar brasileira possuem pequenas propriedades, utilizam mão de obra da própria família em suas  atividades, fato que garante a maior parte da renda para a  familia.

 12,3 milhões de agricultores brasileiros está ligada à agricultura familiar, enquanto 4,2 milhões estão ocupadas na agricultura comercial, produzindo muitos dos alimentos que se encontram em nossas mesas.

ESTRUTURA FUNDIÁRIA NO BRASIL – COMO ESTÁ ORGANIZADAS AS PROPRIEDADES RURAIS NO BRASIL


A terra é um bem natural que deve cumprir a sua função social.

De acordo com a Constituição Federal de 1988, essa função é alcançada quando respeita os seguintes requisitos:

Aproveitamento racional e adequado;

Utilização dos recursos naturais disponíveis e preservação do ambiente;

Relações de trabalho regulamentadas;

Favorecimento do bem-estar dos proprietários e dos trabalhadores.

Dessa forma, a terra não pode ser tratada apenas como um bem, uma propriedade privada, mas como importante meio de produção que deve garantir a sobrevivência daqueles que dela necessitam, cumprindo sua função social.

Entretanto, em nosso país, desde o processo de colonização desenvolvido pelos portugueses, ocorreu o incentivo da concentração de terras nas mãos de poucos proprietários.

Um exemplo disso são as Capitanias Hereditárias, formadas por grandes porções de terra destinadas a um só proprietário. 

A partir da década de 1960, a modernização brasileira levou a uma drástica redução das áreas ocupadas pela agricultura familiar e ao aumento considerável das áreas de latifúndio.

Algumas dessas áreas eram grandes propriedades, geralmente improdutivas, que não eram destinadas à produção de alimentos, geração de trabalho e renda, mas usadas para a especulação imobiliária.

As terras passaram a ser cada vez mais valorizadas, principalmente aquelas que eram mais propícias à mecanização.

Em alguns casos, os pequenos proprietários venderam as suas terras e se dirigiram para as cidades.

Em outros, aconteceu um processo chamado de grilagem: falsos documentos de propriedade foram apresentados aos moradores, expulsando-os de suas terras.

A maioria dos pequenos produtores brasileiros do século passado não possuía documentação da terra, pois ela era herdada de seus antepassados, que sempre tiveram a posse e o direito de utilizá-la.

Com isso, pessoas poderosas conseguiam documentos de registro das áreas, geralmente falsos, e alegavam serem proprietários legítimos, expulsando os antigos moradores sem o reconhecimento da posse que a família detinha há várias gerações.

Em virtude dessa situação, muitas famílias foram expulsas das terras em que viviam e também tomaram o rumo das cidades que estavam em acelerado processo de desenvolvimento econômico.

Para entendermos a distribuição das terras cultiváveis no Brasil, devemos estudar a sua estrutura fundiária, que representa a distribuição das terras, quanto ao seu tamanho, entre os diferentes tipos de propriedades.

Analisando os gráficos, podemos perceber que a maior quantidade de propriedades rurais no Brasil é pequena (até 200 ha). Apenas 1% dos proprietários possuem áreas maiores que 1000 ha.

Contudo, tais proprietários representam 45% do total da área ocupada pelos estabelecimentos rurais no país.

Essa concentração é um dos fatores que levou inúmeros produtores rurais que não possuíam áreas para plantar a migrarem para a zona urbana durante as décadas de 1960 e 1970.

A falta de planejamento governamental e a crise econômica que se estendeu pelas  décadas de 1980 e 1990 dificultaram a aceleração da produção e a criação de novos postos de trabalho.

OS MOVIMENTOS SOCIAIS PELA TERRA

Os bolsões de miséria e pobreza que se formaram nas grandes cidades brasileiras a partir do êxodo rural se tornaram áreas propícias para o surgimento de movimentos sociais que tinham como objetivo promover a justiça social e fazer com que a terra cumprisse sua função social.
 
Um dos principais objetivos desses movimentos sociais de luta pela terra é a reforma agrária,

A REFORMA AGRÁRIA TEM COMO OBJETIVO:

Reorganização da estrutura fundiária, com o objetivo de redistribuir as terras de maneira mais justa, promovendo a desapropriação dos latifúndios improdutivos para criar assentamentos de pequenos produtores.

Durante o final do século passado, foram implementados alguns projetos de reforma agrária, sendo a maioria em terras devolutas, que pertencem à União.

Grande parte desses projetos não prosperou, pois as terras destinadas à reforma agrária geralmente se localizavam em áreas distantes dos centros urbanos consumidores, sem infraestrutura de transporte e comunicação, o que dificultava o escoamento e a comercialização da produção.

 Os agricultores recebiam apenas a documentação da terra e quase nenhum apoio técnico e financeiro, fundamental para que os assentamentos fossem competitivos no mercado.

Às enormes dificuldades enfrentadas agricultores beneficiados pela reforma agrária, fez com que grande de suas  propriedades não fossem viávéis, sendo vendida a grandes produtores, repetindo o processo e levando os pequenos proprietários a voltarem para as cidades.

A reforma agrária pode ser um ótimo caminho para diminuir a tensão social existente nos grandes centros urbanos, mas, para isso, ela precisa ser realizada de forma organizada.

 O Estado tem um papel fundamental no planejamento e no apoio a reforma agrária

O Estado deve financiar e dar consultoria técnica, para que as pessoas assentadas possam obter o seu sustento dignamente, ao mesmo tempo que contribuem com a produção de alimentos e de matérias-primas.

Nosso país possui dimensões continentais e muitas áreas que podem ser usadas para a prática agrícola, mas o planejamento deve ser ordenado para que rendam frutos no futuro e promovam desenvolvimento socioambiental

A partir da década de 1980, com a abertura política, os movimentos sociais rurais cresceram muito em nosso país.

Surgiu o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), que utiliza, entre as suas práticas, a ocupação de terras e de propriedades, além de passeatas e manifestações como forma de pressionar os governos para a realização da reforma agrária.

A luta entre os movimentos sociais pela terra e os grandes proprietários rurais deixou um triste saldo de mortes.

Só entre os anos de 1990 e 2004, 685 pessoas foram mortas em conflitos pela posse da terra em todo o Brasil.

Por isso, o Estado tem um papel muito importante na redução dos conflitos pela posse da terra em nosso país.

Segundo a Constituição, os imóveis rurais que não estejam cumprindo sua função social são passíveis de serem destinados à reforma agrária.

As grandes áreas legais produtivas que cumprem as legislações trabalhistas e ambientais devem ser respeitadas, pois são fundamentais para o desenvolvimento econômico de nosso país.

A IMPORTÂNCIA BRASILEIRA NA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS

Um dos maiores problemas que a população mundial poderá enfrentar nos próximos anos é a escassez de alimentos, gerada principalmente por questões de ordem natural, como secas prolongadas ou chuvas muito extensas, bem como por fatores econômicos ligados às condições de acesso e de distribuição.

Alimentar os povos do mundo é um grande desafio, e o Brasil merece especial atenção no cenário internacional, pois dispomos de grandes áreas propícias para a prática agrícola, mão de obra suficiente e condições ambientais
satisfatórias.
No ano de 2008, o Brasil assumiu o posto de terceiro maior produtor de alimentos do mundo, ficando  atrás apenas dos Estados Unidos, maior produtor mundial, e da União Europeia.

Entre os fatores que contribuíram para o crescimento da produção agrícola brasileira e das suas exportações, está a diversidade de produtos, pois as características naturais do território brasileiro possibilitam a produção de uma grande variedade de culturas.

Soma-se a isso o aumento da demanda nos países asiáticos, principalmente a China, e o aumento da produtividade das lavouras, com o uso intenso de tecnologias desenvolvidas por pesquisadores brasileiros e que consideram as particularidades do nosso país.

Um fator que impede que o Brasil seja o maior exportador de produtos agropecuários do mundo  é o elevado rotecionismo dado pelos governos de países desenvolvidos aos seus produtores, como ocorre nos Estados Unidos e na França.

Os subsídios são incentivos dados tanto em forma de capital como em facilidade de financiamento com juros abaixo dos praticados pelo mercado e com grandes prazos de pagamento.

Os governos auxiliam os produtores rurais de seus países a produzirem a um custo mais baixo, tornando seus produtos mais competitivos.

A prática dos subsídios muitas vezes é condenada – principalmente por países em desenvolvimento, sob a acusação de serem ações ilegais de competição no mercado internacional.

Outro fator que pode contribuir para o avanço da agricultura brasileira e promover a fixação das famílias no setor agrícola em pequenas propriedades está associado ao aumento no consumo de alimentos produzidos com respeito às questões ambientais. 

a população atualmente está se conscientizando em relação à necessidade de preservação da saúde e do ambiente.

É grande a parcela da população que dispõe-se a pagar mais pelo alimento produzido com menor impacto ao ambiente, que é mais saudável.

Essa prática de cultivo é chamada de agricultura orgânica e, em sua maior parte, é praticada em pequenas propriedades que se utilizam de maior mão de obra, pois a redução no uso de defensivos agrícolas, por exemplo, exige um cuidado manual, artesanal.