quarta-feira, 14 de novembro de 2018

8º ANO - CANADÁ E MÉXICO




CANADÁ

Localizado na porção setentrional do continente americano e é o segundo maior país do mundo, com área territorial de 9 984 670 km2.

É dividido em dez províncias e três territórios e sua capital é Ottawa, localizada na província de Ontário.

Em 2014, contava com, aproximadamente, 34,8 milhões de habitantes. Sua densidade populacional é considerada baixa, em torno de 3,4 habitantes por km², o que o configura como um país pouco povoado.

Em virtude das características de seu processo de colonização, o Canadá tem duas línguas oficiais: o inglês, falado por cerca de 58,7% da população, e o francês, falado por pouco mais de 22%.

Além dessas, outras línguas, como italiano, chinês, alemão e espanhol, também são bastante faladas pela população ao longo do território.

Em 2012, 81% da população vivia em zonas urbanas.

A distribuição da população canadense pelo território envolve elementos naturais, como o clima e a localização geográfica.

 Os principais climas são: frio e polar. Este climas só ocorrem por conta da localização geográfica em  elevadas latitudes do Hemisfério Norte ou seja no polo norte.

As maiores densidades populacionais ocorrem em uma faixa localizada ao longo da fronteira com os Estados Unidos, na porção sul do país.

A região sudeste, no entorno dos Grandes Lagos  é a de maior densidade demográfica ou seja, a mais densamente povoada.

Na porção ocidental, destaca-se a cidade de Vancouver, com população superior a 2,2 milhões de habitantes.

O Canadá apresenta um dos mais elevados padrões de vida de todo o mundo.

A expectativa de vida da população é de 81 anos, e o sistema educacional é bastante desenvolvido.


Em 2014, ocupava a oitava posição no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Sua renda per capita está entre as maiores do mundo, com US$ 41.888,00 ao ano.

As cidades mais populosas estão localizadas ao longo do vale do Rio São Lourenço;

O Rio São Lourenço que foi utilizado como via para a ocupação do interior do país durante o processo de colonização.

Ao longo do vale do Rio São Lourenço destacam-se Toronto, com mais de 5 milhões de habitantes, e Montreal, com mais de 3,5 milhões de residentes.

Uma característica particular dos grandes centros urbanos canadenses, como Toronto e Montreal, é a existência de “cidades subterrâneas.

As cidades subterrâneas são construções feitas no subsolo com aproximadamente, 30 km de corredores que contam com sistema de transporte, centenas de lojas e escritórios.

As cidades subterrâneas são bastante utilizadas durante todo o ano, sua importância aumenta no inverno devido ao fato de serem aquecidas e livres das nevascas, comuns durante a estação fria, essas construções também atuam como abrigos, uma vez que as temperaturas médias da região podem chegar a –9ºC.
A ECONOMIA CANADENSE

A economia canadense sofre grande influência de seu vizinho do sul, principalmente no que se refere ao comércio internacional.

Os Estados Unidos e Canadá mantém importante relação comercial com o bloco da União Europeia, com a China, Japão e o México, seu parceiro no Nafta.

Produtos agropecuários exportados pelo do Canadá: Canola, trigo, carne de porco e de soja.

Produtos agropecuários Importados pelo do Canadá: Alimentos processados e vinho.

Produtos manufaturados exportados pelo do Canadá: Veículos, peças automotivas, máquinas, equipamentos, produtos de alta tecnologia e de combustíveis. (como óleo e gás natural).

PRODUTOS MANUFATURADOS IMPORTADOS PELO DO CANADÁ:

Os produtos de origem florestal também apresentam peso significativo nas exportações canadenses, uma vez que grande parte do território do país é coberta pela floresta de coníferas, sendo a indústria de papel altamente desenvolvida.

Canadá conta com importantes jazidas de recursos minerais: De gás natural, petróleo, ouro, carvão, cobre, minério de ferro, níquel, urânio e zinco.

As principais zonas industriais localizam-se nas áreas que apresentam maior adensamento populacional, principalmente no entorno das cidades de Toronto e de Ottawa, na porção oriental, e de Vancouver, na porção ocidental do país.

Canadá também se destaca na produção e na venda de aeronaves de médio porte para uso na aviação civil.

A empresa canadense Bombardier disputa com a brasileira Embraer fatias desse importante mercado global.

Tem um sistema de transporte versátil e eficaz , isto é fundamental para que a economia se desenvolva.

O Canadá enfrenta problemas climáticos, sendo necessária a remoção de neve de ferrovias, de estradas e de pistas de aeroportos.

O transporte hidroviário também sofre com o clima frio, uma vez que alguns rios congelam no inverno.

Outros elementos naturais, como áreas montanhosas e escarpadas, também dificultam a implantação de redes de transporte.

Mesmo com todas dificuldades o Canadá conta com um dos mais bem estruturados sistemas de transporte do mundo, o que torna suas atividades econômicas competitivas, pois os produtos são transportados com relativa facilidade até portos e aeroportos, de onde são exportados para diversos países

Outro campo em que o país tem se destacado é na produção de energia, sendo um grande exportador desse importante insumo.


O Canadá pode ser classificado como um país bastante desenvolvido, tanto do ponto de vista tecnológico quanto do econômico e do social.

Investimentos nas áreas de educação e de saúde possibilitaram grandes avanços, na qualidade de vida dos canadenses.

 MÉXICO

É um país emergente, o México é a segunda maior economia da América Latina, ficando atrás apenas do Brasil.

FAZ FRONTEIRA COM:

Estados Unidos, ao norte;

Guatemala e o Belize, ao sul

Oceano Atlântico a Leste;

Oceano Pacifico a Oeste;

Sua área territorial é de 1 964 375 km2 e sua população, em 2013, era de 122 332 399 habitantes, o que confere ao país uma densidade populacional de 62,3 hab/km²;

O México apresenta economia bastante integrada com a dos Estados Unidos;

A maior parte do que o México negocia no mercado internacional tem destino ou se origina nos Estados Unidos.

Com o Nafta, os Estados Unidos providenciaram uma forma de explorar a mão de obra barata dos trabalhadores mexicanos sem que estes precisassem passar a fronteira entre os dois países.

As empresas estadunidenses implantaram unidades produtivas em território mexicano ao longo das faixas de fronteira. Chamadas de maquiladoras;

Industrias maquiladoras é um nome dado em função da forma como atuam, essas empresas recebem peças produzidas nos Estados Unidos, as quais são usadas para montar bens de consumo.

Na Industrias maquiladoras  o produto não é produzido, mas, sim, montado no México fae uma “maquiagem” na produção industrial do México.

Peças e produtos podem circular livremente entre México e Estados Unidos, o que não ocorre com pessoas.

Os Estados Unidos impõem barreiras para a entrada de mexicanos em seu território, temendo que ocorra uma maciça migração dos mexicanos.

Em geral, o deslocamento de mexicanos em direção aos Estados Unidos é motivado pela busca de novas perspectivas de trabalho e de renda.

O México vem enfrentando problemas sociais, como salários baixos e poucas oportunidades de desenvolvimento para parte de sua população.

Um fator que contribui para o desenvolvimento da economia mexicana é o fato de o país ser um grande produtor de petróleo, sendo autossuficiente dessa importante commodity;

O petróleo corresponde a cerca de 20% do total de suas exportações mexicanas;
Sua produção é de, aproximadamente, 2,5 milhões de barris por dia, exportando mais da metade desse total para os ESTADOS UNIDOS.

O turismo contribui com a economia do México, que apresenta belas praias localizadas no Mar do Caribe.

Atrações culturais dos povos pré-colombianos, como os maias e os astecas, atraem milhares de turistas todos os anos, gerando muita riqueza para o país.

De acordo com dados da Organização Mundial do Turismo, instituição ligada à Organização das Nações Unidas (ONU), o México recebeu, em 2013, mais de 23,7 milhões de turistas.

terça-feira, 6 de novembro de 2018

9º ANO DESMATAMENTO



CONCEITO DE DESMATAMENTO: Entende-se por desmatamento, também chamado de desflorestamento ou desflorestação, o processo de remoção total ou parcial da vegetação em uma determinada área.

Geralmente, esse processo ocorre para fins econômicos, visando à utilização comercial da madeira das árvores e também para o aproveitamento dos solos para a agricultura e a pecuária. A atividade mineradora e a construção de barragens para hidrelétricas também aparecem como causas de tal ocorrência.


CAUSAS DO DESMATAMENTO

O desmatamento, embora seja uma ação antrópica (humana), não é feito por acaso. Existem alguns motivos que provocam ou intensificam a ocorrência desse problema, entre os quais, podemos mencionar:
a) Expansão agropecuária: o avanço das áreas agricultáveis e da fronteira agrícola provoca o avanço das atividades humanas sobre o meio natural, fazendo com que áreas inteiras de matas sejam substituídas por pastagens, campos agrícolas ou áreas rurais à espera de valorização financeira.
b) Atividade mineradora: a prática da mineração também é um dos grandes fatores responsáveis pela devastação das florestas, pois áreas inteiras são devastadas para a instalação de equipamentos e atividades de exploração de reservas dos mais diversos minérios, tais como o ouro, a prata, a bauxita (alumínio), o ferro, o zinco e muitos outros.
c) Maior demanda por recursos naturais: há, no mundo, um aumento exagerado do consumismo, com uma maior procura por matérias-primas e, consequentemente, por recursos naturais. Assim, os bens oferecidos pela natureza são explorados cada vez mais intensamente, com destaque para a madeira, o óleo de palma e demais elementos, que, quando retirados, provocam a destruição das florestas.
d) Crescimento da urbanização: com o incremento da urbanização tanto no Brasil como no mundo, as áreas verdes localizadas tanto nas áreas ao redor das cidades quanto dentro dos limites urbanos são removidas para a construção de moradias, empreendimentos, prédios, indústrias e muitos outras formas de intervenção do homem sobre o seu espaço.
e) aumento das queimadas: acidentais ou intencionais, as queimadas criminosas sobre áreas naturais vêm se alastrando, com frequentes notícias a respeito surgindo nos jornais e revistas. Em tempos de estiagem, a vegetação fica mais seca e o fogo alastra-se com maior facilidade, de forma que qualquer faísca, dependendo da localidade, pode provocar uma verdadeira catástrofe.


CONSEQUÊNCIAS DO DESMATAMENTO

São várias as consequências e impactos gerados pelo desmatamento, haja vista que a intervenção do homem sobre o meio natural fatalmente acarreta desequilíbrios. Dentre tais problemas, podemos citar:
a) Perda da biodiversidade: com a destruição das florestas, o habitat natural de muitas espécies torna-se escasso ou inexistente, contribuindo para a morte de muitos animais e até mesmo a extinção dos tipos endêmicos, aqueles que só se encontram em localidades restritas. Tal configuração traz problemas para a cadeia alimentar e pode impactar até atividades econômicas, tais como a caça e a pesca.
b) Erosão dos solos: sem as árvores, o solo de muitas localidades fica desprotegido, sendo facilmente impactado pela ação dos agentes erosivos, tais como a água das chuvas e dos rios, além de outros elementos. Com a consequente erosão, ocorre a perda de muitas áreas.
c) Extinção de rios: a remoção das florestas provoca a destruição, em alguns casos, de nascentes que alimentam os rios. Além disso, as áreas de encosta, nas margens dos cursos d'água, sofrem com o aumento da erosão, o que faz com que mais terra e rochas sejam “jogadas” no leito dos rios, o que provoca o seu enfraquecimento.
d) Efeitos climáticos: o clima e as temperaturas dependem das condições naturais. Muitas florestas contribuem fornecendo umidade para o ambiente, de forma que a retirada dessas implica a alteração do equilíbrio climático de muitas regiões, isso sem falar na intensificação do efeito estufa.
e) Desertificação: além das erosões, os solos podem sofrer com a ausência da vegetação. Em áreas áridas e semiáridas, pode ocorrer a desertificação, com a perda de nutrientes do solo, além do processo de arenização, que ocorre em regiões de clima úmido e de solos arenosos.
f) Perda de recursos naturais: os recursos naturais, mesmo aqueles renováveis, podem entrar em escassez com o desmatamento. É o caso da água, madeira, além de inúmeras matérias-primas medicinais retiradas a partir do extrativismo vegetal.




quarta-feira, 17 de outubro de 2018

6º ANO- FORMAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DA VEGETAÇÃO



6º ANO – CONTEÚDO PARA AV   FORMAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DA VEGETAÇÃO

Os fatores que interferem na formação e na distribuição da vegetação  pelo  globo:

Distribuição desigual da energia  solar( áreas quentes, temperadas e frias);

A distribuição dos minerais, das rochas, do solo e do relevo;

A disponibilidade de água.

Ecossistemas  são  ambientes  formados  pela  relação  entre  seres vivos e não vivos que interagem entre si, dando suporte ao desenvolvimento da vida.

Bioma é um grande conjunto de ecossistemas com aspectos semelhantes;

Biosfera é o conjunto de todos os biomas;

No  Brasil,  os  tipos  de  vegetação também são chamados de domínios morfoclimáticos ou domínios de natureza;

Os domínio Morfoclimáticos são espaços com características particulares de solo, relevo, clima, hidrologia e vegetação, onde predominam determinados padrões de paisagem nas áreas preservadas.

De qualquer modo, reconhecer as principais formações vegetais do mundo é fundamental para compreender a maneira como a sociedade ocupa, transforma e produz o espaço geográfico.

O CLIMA é um dos fatores que interferem nas características das vegetações.

A ZONA INTERTROPICAL  são  mais  quentes,  diferenciadas pelos regimes de chuvas. As áreas mais chuvosas propiciam condição para formar vegetações florestais de maior porte  e  com  maior  biodiversidade,  como  as  florestas  tropicais  e  equatoriais.

Na zona intertropícal onde o clima apresenta duas estações bem definidas( sazonalidade), isso  interfere  no  regime  pluviométrico(chuvas),  surgem  vegetações  que  se  adaptam  a  estações secas e chuvosas, como as savanas.

AS ZONAS TEMPERADAS apresentam maiores diferenças anuais de  insolação  e,  portanto,  variações  de  temperatura  mais  marcantes ao longo do ano.

Em algumas regiões o verão tem períodos quentes e chuvosos e o inverno se caracteriza por períodos frios e mais secos.

As estações do  ano  são  bem  definidas. 

Nessas  condições,  as  vegetações  acabam  adquirindo  características  condizentes com a variação anual do clima.

NAS ZONAS POLARES, o frio intenso acaba por congelar o solo, dificultando o desenvolvimento da vegetação e a própria ocupação humana, o que ajuda a explicar a situação de preservação dessas regiões.

No entanto,  mesmo  com  tamanha  rigorosidade  climática,  nos  meses  menos  frios,  quando  ocorre  o  degelo,  surgem formações vegetais, denominadas tundra, que se desenvolve em um solo chamado de PERMAFROST.

O RELEVO  influencia  no  clima  no  sentido  de  baixar  a  temperatura  à medida que se eleva a altitude.

Dessa  forma,  a  vegetação  natural das áreas de alta montanha se diferencia  conforme  avançamos  para   cima,   de   modo   parecido   com  a  diferenciação  que  ocorre  quando  avançamos  para  as  latitudes mais elevadas ao norte ou ao sul.

O SOLO  é um fator determinante nas condições das vegetações.

Em regiões temperadas  próximas  à  transição  para  as  zonas  tropicais,  o  solo  jovem,  raso  e  mais  arenoso  possibilita  o  desenvolvimento de vegetações mais rasteiras e sem muitas árvores, como as pradarias que ocorrem no Rio Grande do Sul.

combinação das características do solo, associada a climas menos chuvosos ou semiáridos, favorece o desenvolvimento de uma vegetação denominada estepes, que também apresenta poucas árvores.

OBS: É importante notar que o clima, o relevo e o solo estão relacionados com a distribuição da água no ambiente ou interferem nela. A distribuição desse recurso pode afetar as vegetações tanto pelo excesso quanto pela sua falta ou pouca disponibilidade.


TIPOS DE VEGETAÇÃO DO PLANETA

TUNDRA é uma vegetação rasteira que ocorre nos ambientes mais gelados(as regiões polares) do Hemisfério Norte e Sul.

Ela  é  composta  principalmente  de  musgos,  líquens  e  pequenos  arbustos. 

O  clima  da  região  onde  a  tundra  se  desenvolve  é  extremamente  rigoroso,  com  invernos  longos,  muito  frios  e  verões  bem  curtos. 

O  solo permanece congelado a maior parte do ano, por isso a tundra tem um ciclo de vida bem rápido.

FLORESTA DE CONÍFERAS, também denominada floresta boreal  ou  taiga,  é  encontrada  principalmente  na  região  subpolar, ou seja, geralmente ao sul das regiões de tundra, onde os invernos são menos rigorosos, e os verões, mais  quentes. 

Nas regiões com FLORESTA DE CONÍFERAS,   as  temperaturas são  baixas  e  neva  em  boa  parte  do  ano,  motivo  pelo qual as árvores apresentam, em geral, folhas  finas para evitar acúmulo de neve.
Principais espécies desta vegetação sãos os abetos  e  os  pínus.

Em razão de suas características, a floresta de coníferas é amplamente utilizada na indústria madeireira, fato que promoveu grande desmatamento desta vegetação;

No entanto, alguns países adotam políticas de preservação que garantem o uso da floresta de modo sustentável, como ocorre na Finlândia.

FLORESTAS  SUBTROPICAIS  E  TEMPERADAS   são  conhecidas  como  florestas  caducifólias,  por que  diversas espécies as folhas “caducam”, ou seja, perdem as folhas em certo período do ano.

Ocorrem principalmente áreas de clima subtropical ou temperado, no entanto a grande ocupação humana sobre as regiões onde antes elas existiam causou um grande desmatamento.

Árvores, como carvalhos, cerejeiras e bordos, apresentam folhas com coloração amarelada ou avermelhada durante o outono e caem durante o inverno.

Perdem as folhas para resistir aos períodos mais secos sem perder água, além de fornecer nutrientes ao solo.
Muitos animais que vivem nessas florestas migram para regiões mais quentes durante o inverno, outros hibernam nessa estação.

No Brasil, são representadas pelas florestas de araucárias, que ocorrem nos estados do Sul, principalmente no Paraná e em Santa Catarina.

VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA Ocorre predominantemente nas regiões de clima  mediterrâneo,  comum  em  locais  como  sul da Europa (próximos ao Mar Mediterrâneo), Chile   (porção   central),   Austrália   (sudoeste),   África  do  Sul  e  Estados  Unidos  (na  costa  oeste). 

No  clima  mediterrâneo    verões quentes e secos e invernos úmidos e frios.

As  paisagens  são  diversificadas,  mas  apresentam dois tipos principais:

Maquis – vegetações bem fechadas que variam de 1 a 4 metros de altura;

Garrigues – vegetações de pequeno porte e mais esparsas.

As oliveiras (azeitonas) e as videiras (uvas) se adaptam muito bem às condições climáticas e são cultivos muito comuns nessas regiões.

PRADARIAS E ESTEPES Tanto as estepes como as pradarias ocorrem nas Américas, na Europa, na Ásia, na Austrália e na África, principalmente na região temperada Caracterizam-se:

Vegetações mais comuns nas zonas  temperadas. 

Ocorrem  tanto  no  Hemisfério  Norte  quanto  no  Sul,  geralmente  em  regiões  de  clima  semiárido.
Estepes e pradarias geralmente  são  compostas  de  vegetações  rasteiras,  como  gramíneas. 

Os  solos  são pouco profundos e arenosos.
Algumas estepes correspondem à faixa de transição entre os desertos e as regiões florestais, como ocorre nos Estados Unidos.

No Brasil, ocorrem pradarias no estado do Rio Grande do Sul, área conhecida como Pampas Gaucho ou Campos Sulinos. 

A agropecuária  tem  impactado  a  cobertura  natural  do  solo(desmatamento), deixando-o mais exposto à ação da chuva e do vento.

 O desmatamento pode desencadear a formação de areais, regiões onde a areia toma conta da superfície, assemelhando-se a uma paisagem desértica, porém sem o clima árido. Por isso o fenômeno é denominado arenização, e não desertificação.

FLORESTAS EQUATORIAIS E TROPICAIS

As florestas equatoriais e tropicais ocorrem ao longo da Linha do Equador, na América, na África e na Ásia e nas proximidades dos trópicos de Câncer e de Capricórnio na América, na África, na Ásia e na Oceania.
Por isso, recebem também o nome de floresta tropical.

São regiões em geral úmidas, com temperaturas elevadas e pouca variação no decorrer do ano.
A vegetação é constituída de árvores de grande porte, podendo ultrapassar os 60 metros de altura, com extratos inferiores de porte menor.

As folhas são grandes(latifoliada), justamente para facilitar a fotossíntese e a evapotranspiração, já que ocorre em regiões bem quentes e úmidas;

Evapotranspiração: processo pelo qual ocorre a perda de água por evaporação e transpiração.
a vegetação assemelha-se a um grande tapete verde cortado por rios e que, de tão densa e fechada, impossibilita a visão do solo.

 No Brasil, o extrato superior da floresta é denominado dossel, onde vive parte majoritária da biodiversidade amazônica
O solo das áreas cobertas com a floresta tropical é  geralmente  pobre  em  nutrientes.

O solo é alimentado com nutrientes da própria floresta. À medida que as plantas perdem folhas, morrem vai se formando no chão da floresta uma camada de sedimentos orgânicos chamada serapilheira.

Com o calor e a umidadea serrapilheira é rapidamente decomposto e absorvido pelo solo.

Os nutrientes não permanecem no solo, eles são  absorvidos  pelas  plantas  ou  carregados  pela  água  até os rios em um processo denominado lixiviação.

Essa  vegetação  vem  sofrendo  sérios  danos  por causa do desmatamento, agropecuária e mineração, que causa problemas ambientais associados ao desflorestamento(desmatamento).

SAVANAS E CERRADOS

Paisagens  dominadas  por  gramíneas  e apresentar  árvores  de  médio  porte  e  arbustos,  as  savanas  são  típicas  de regiões onde o clima é caracterizado por uma estação seca e uma estação úmida, na qual os vegetais crescem rapidamente.

Abrangem grandes áreas da África, da América do Sul e da Austrália, concentradas na faixa intertropical.
A vegetação da savana é naturalmente adaptada para resistir a grandes períodos de estiagem e às queimadas naturais que ocorrem ocasionalmente.

O  continente  africano  apresenta  uma  grande  extensão  de  savanas, onde vivem predadores de grande porte como os grandes felinos (leão, leopardo), além de herbívoros como elefantes, hipopótamos, rinocerontes,  girafas  e  zebras. 

O turismo  ecológico  vem  se  tornando,  recentemente,  uma  boa  alternativa  para  manter  a  área  preservada, evitando a caça predatória e o desmatamento.

No Brasil, a vegetação identificada como savana é denominada cerrado e ocorre principalmente nas porções mais centrais do país

AS VEGETAÇÕES DE ALTITUDE podem ser encontradas nas grandes cordilheiras  de  montanhas  e  ocorrem  na  América,  na  Europa,  na  África  e  na  Ásia. 

A  vegetação  vai  se  tornando  mais  rara,  à  medida  que  a  altitude  aumenta,  até  chegar  aos  topos,  que  podem  estar  cobertos  pela  neve  eterna.

A  vegetação  de  altitude  passa  a  ser  constituída  por  espécies  de  pequeno  porte,  principalmente gramíneas, musgos e liquens, por isso é chamada também de tundra alpina. 

A interferência humana e as possíveis mudanças climáticas estão  alterando  também  as  vegetações  das  montanhas.  Na  Europa,  elas  têm  crescido  em  altitudes  cada  vez  mais  elevadas,  talvez  em  virtude das mudanças no clima ocorridas nas últimas décadas.

DESERTO ocorrem nas regiões de deserto, onde a precipitação e a umidade são extremamente baixas, o que impossibilita o desenvolvimento de vegetação densa e contínua.

Essas condições também estão presentes em desertos gelados, como a Antártica.

No desertos gelados, apesar da grande presença de água na forma de gelo, a umidade do ar é muito pequena em decorrência da baixa temperatura, que mantém a água quase inteiramente no estado sólido, e não no de vapor.

Vegetações  de  deserto  são  formadas  por  espécies  que  desenvolveram  diferentes maneiras para se adaptarem à pouca disponibilidade de água. Um exemplo são os cactos.

Os cactos que apresentam espinhos, evitando a evapotranspiração, o que conserva umidade em seu interior e fornece proteção à planta.

Estima-se que cerca de 20% da superfície continental do planeta seja coberta por desertos.

Os maiores são o Deserto do Saara, na África, e o de Gobi, na Ásia. Porém,  também    grandes  desertos  na  América  do  Norte,  como  o  da Califórnia e o de Sonora, na América do Sul, como o Atacama, e na Oceania, como o Grande Deserto Australiano.









8º ANO - CANADÁ E MÉXICO