sexta-feira, 29 de maio de 2020

CONCEITOS SOBRE RELEVO


CONCEITOS SOBRE RELEVO
1. CAMADAS DO PLANETA.

Crosta: A crosta é porção externa, fina e rígida da Terra, é composta de material rochoso formado predominantemente por silício, alumínio e magnésio e é dividida em crosta continental e crosta oceânica. 

Crosta Oceânica ou Sima:  É a parte mais inferior da crosta nos fundos dos oceanos, formada por rochas a base de silício e magnésio. Apresenta espessura média de 7,5 km e é a parte mais recente ou nova da estrutura geológica do planeta.

Crosta continental ou Sial: É a parte mais superficial da crosta, formada por rochas a base de silício e alumínio. Apresenta maior espessura, a qual varia de 30 a 80 km e é a parte mais antiga do planeta.

Manto: É a camada intermediaria do planeta, formada a base de ferro,  é dividida em manto superior e inferior, constituída por magma em estado de fusão, ocupa cerca de 80% do volume da Terra. A diferença de temperatura no manto é responsável pela corrente de convecção do manto, que vão provocar o movimento das placas tectônicas na superfície terrestre.

Manto superior é a parte mais externa do manto e é constituído por um material mais plástico, com temperaturas e densidades menores.

Manto inferior, por sua vez, apresenta uma consistência quase líquida e com maior densidade. 

Núcleo: 
camada existente no centro do planeta formada por níquel e ferro, sendo por isso também chamado de NiFe.
Apresenta até a 6000ºC.
Representa um terço de toda a massa terrestre.
Sua profundidade vai de 2900 km até os 6370 km.
Ele pode ser subdividido em duas camadas o núcleo interno e o núcleo externo.
É responsável pelo magnetismo do planeta terra.

Núcleo externo
Situa-se entre o núcleo interno e o manto terrestre,
Formado por ferro e o material está em estado líquido,
Forma o campo magnético da Terra.
Apresenta temperatura média de  3000ºC;
Sua extensão vai de 2900 km até os 5000 km.

Núcleo interno deve ter a mesma composição que o externo, é sólido com 6000°C de temperatura tem 1.250 km de espessura. Apresenta pressão extremamente elevada, Forma-se, então, uma liga metálica maciça de níquel e ferro, o que faz com que essa camada seja também chamada de NIFE.

2. LIMITES DE PLACAS

Fronteira construtiva ou divergente: rocha fundida que sobre a Astenosfera e forma nova litosfera nas cordilheiras oceânicas.

Fronteira destrutiva ou convergente: nas zonas de Subducção, a litosfera oceânica é forçada para baixo da litosfera continental, penetrando na Astenosfera com ângulo de aproximadamente 45°.

Fronteira conservativa, tangencial ou transformante: nas falhas de transformação, as placas deslizam umas ao lado das outras e a litosfera não é criada nem destruída.

Zona de Subducção: mergulho de uma placa oceânica sob uma placa continental.

Zona de Obducção: mergulho de uma placa continental sob outra placa continental.

Zona de Agregação: região de divergência de placas permitindo a saída de material


Círculo de Fogo do Pacífico, Anel de Fogo do Pacífico e Cinturão de fogo do pacífico: é uma zona de elevada instabilidade geológica, cuja forma possui um aspecto de curvatura em ferradura ao longo do maior oceano do mundo. Com mais de 40 mil quilômetros de extensão, ele situa-se a oeste das Américas e a leste da Ásia e da Oceania.  

Deriva continental é a teoria, formulada por Alfred Wegener, que trata do movimento dos continentes pelo globo terrestre, provocado pelo tectonismo. Esta teoria afirma que as terras emersas do nosso planeta vêm se movimentando desde de sua consolidação.

Tectônica de placas: é a teoria que afirma que a litosfera estar quebra em vários pedaços os quais chamamos de placas tectônica e que elas estão em movimento impulsionadas pelo movimento de convecção do magma.

Placas Tectônicas: são pedaços da crosta terrestre limitadas por zonas de convergência, divergência ou transformante e que estão em constante movimento, os quais provocam transformações na crosta por meio de terremotos e erupções vulcânicas.

Pangea ou Pangéia: Nome dado ao megacontinente que existiu a cerca de 250 milhões de anos atrás, formado pela junção de todos os continentes hoje existentes.

Laurásia: Supercontinente do norte que surgiu logo após a divisão de Pangeia, a Laurásia incluía os continentes que hoje formam o Hemisfério Norte, incluindo a América do Norte, Europa e Ásia do Norte.

Gondwana: Supercontinente do sul que surgiu logo após a divisão de Pangeia, a Gondwana incluía os continentes que hoje formam América do Sul, África, Oceania, Antárctica e o subcontinente indiano.  

3. FORÇAS ENDÓGENAS OU AGENTES CONSTRUTORES DO RELEVO

Agentes internos ou endógenos: São as forças internas que tem sua origem nas pressões que o magma exerce sobre a crosta terrestre. Essas pressões provocam Vulcanismo, tectonismo e terremotos.

Tectonismo: Movimentos lentos, mais ou menos prolongados que ocorrem na crosta terrestre, resultado da ação das forças internas do planeta. Existem duas formas de Tectonismo: epirogênese e orogênese.

Abalo sísmico ou terremoto: É um tremor na superfície terrestre produzido pela movimentação das placas tectônicas, a movimentação das placas tectônica se dá devido ao movimento de convecção do magma, no manto terrestre.

Orogêneses: processo de formação das cadeias de montanhas, devido ao movimento horizontal das placas convergentes.

Epirogênese: Movimentos lentos de subida ou descida de placas tectônicas, chamada também de  epirogenia.

Dobramentos ou Dobra: É enrugamentos  de forma acentuadamente côncavo-convexa, voltados para cima ou para baixo, que ocorrem nas rochas quando submetidas a pressões horizontais de duas placas tectônicas

Obs:
Os dobramentos ocorrem quando a orogênese atua em rochas de boa plasticidade.
Os falhamentos ocorrem quando a ação da orogênese se dá sobre um substrato rochoso muito solidificado.

O que são dobramentos modernos

Os dobramentos modernos são estruturas formadas por rochas magmáticas e sedimentares pouco resistentes que foram afetadas por forças tectônicas durante o período Terciário provocando o enrugamento e originando as cadeias montanhosas ou cordilheiras

São exemplos de cadeias formadas por dobramentos modernos;

Montanhas Rochosas – América do Norte
Andes – América do Sul
Cadeia dos Alpes – Europa
Cadeia do Atlas – África;
Cadeia do Cáucaso e Cordilheira do  Himalaia – na Ásia.



Principais características das montanhas:

Compostas, principalmente, por rochas magmáticas e metamórficas.

Regiões que apresentam elevada altitude com relevo em formato pontiagudo. São as áreas mais elevadas do mundo.
Apresentam instabilidade tectônica, possibilidade elevada de abalos sísmicos (terremotos).

Presença de minerais (metálicos e não metálicos) no terreno que foi elevado.

Relevo que teve baixa ação do processo de erosão, em função de serem recentes.

Presença de rios em função da forte inclinação do relevo e das altitudes elevadas.

Falhamento ou Falha: É o Local na superfície onde encontramos rocha fraturada ao longo da qual houve deslocamento vertical ou horizontal, o qual pode variar de alguns centímetros até quilômetros.

Epirogênese: É o movimentos verticais da crosta terrestre, provocando soerguimentos e rebaixamentos de partes da litosfera.

Soerguimento: Movimento lento e  vertical para cima (positivo) realizado pelas placas tectônicas

Subsidência: Movimento lento e  vertical para baixo (negativo) realizado pelas placas tectônicas

Vulcanismo: É um fenômeno geológico que ocorre do interior da Terra para a superfície, quando há o extravasamento do magma em forma de lava, além de gases e fumaça.

4. FORÇAS EXÓGENAS OU AGENTES MODELADORES DO RELEVO

Agente externo ou exógeno

Erosão: É o processo de transporte das partículas de rochas decompostas ou desagregadas pelo 
intemperismo

Intemperismo ou meteorizarão – É o conjunto de processos químicos, físicos e biológicos responsável pela desagregação (quebra) ou decomposição das rochas.

 É por intermédio do intemperismo que se formam os sedimentos (partículas de rochas) e também os solos, que são exatamente constituídos de rochas decompostas e desagregadas.

Intemperismo físico – degradação da rocha por meio de processos físicos, sem alteração da sua composição química. É o processo que é responsável pelas fragmentações ou meteorização  nas rochas.

Forças Externas:  fatores externos causam modificações na superfície terrestre.
Ação Humana,  As chuvas, Água corrente, O vento, O gelo, O calor,
A GRAVIDADE, que intensifica as forças que desgastam e modificam o relevo terrestre (erosão de superfície)

Intemperismo químico – conjunto de reações químicas que alteram os minerais que compõem as rochas. Nesse processo a composição química da rocha muda.

Intemperismo biológico: é o processo de transformação das rochas a partir da ação de seres vivos, como bactérias ou até mesmo animais. Incluem-se nesse processo as raízes das árvores, as ações de bactérias, a decomposição de organismos ou excrementos, entre outros.

Mineral: É todo elemento ou composto químico encontrado nas rochas sobre a crosta terrestre.

Minério: mineral ou rocha produz uma ou mais substâncias com valor econômico.

Rocha: É agregado natural formado por um ou mais minerais.

5. TIPOS DE ROCHA

Rochas Magmáticas: formadas pela solidificação do magma na superfície e no interior da crosta terrestre;

Rochas extrusivas ou vulcânicas são aquelas formadas a partir  do rápido resfriamento do magma (lava) na superfície da crosta após as erupções vulcânicas..

Rochas intrusivas ou plutônicas: são aquelas formadas por um lento resfriamento do magma, originárias de regiões profundas no subsolo, dando origem a cristais.

Rochas Sedimentares: formadas por deposição de materiais em ambientes continentais ou marinhos;

Rochas Metamórficas: formadas pela transformação de rochas pré-existentes no estado sólido devido ao aumento da pressão e da temperatura.

6. ETAPAS DE FORMAÇÃO DAS ROCHAS SEDIMENTARES:

1. Intemperismo: conjunto de processos que ocasionam a decomposição dos minerais das rochas devido à ação dos agentes climáticos.

2. Transporte: trata-se da movimentação do material erodido até uma área deprimida, através da ação dos elementos do clima, como a água e o vento, que transportam esses materiais a longas distâncias até uma bacia de sedimentação.

3. Deposição: os materiais erodidos são depositados em áreas deprimidas (mais baixas), geralmente fundos de mares e oceanos.

4. Litificação: após o depósito dos materiais erodidos, sob a ação do tempo e da pressão, os sedimentos transformam-se em rochas sedimentares, através do processo de litificação.

7. TIPOS DE ROCHAS SEDIMENTARES

Detríticas: quando formadas a partir de fragmentos de rochas preexistentes de tamanhos variados.

Químicas: formadas pela precipitação de solutos ou evaporação da água: sal, calcita.

Orgânicas: constituídas através do acúmulo de restos de organismos vegetais e animais: carvão, calcário, betume.

8. TIPOS DE ESTRUTURA GEOLÓGICA

CRÁTONS OU CRATÕES são estruturas geológicas caracterizadas pela sua estabilidade e composição antiga, tendo se formado durante a era Pré-Cambriana, Sua composição é de rochas magmáticas e metamórficas.

TIPOS DE CRÁTONS

Escudos Cristalinos: são também chamados de maciços antigos e caracterizam-se por serem compostos por rochas cristalinas (magmáticas e metamórficas). São tipos de crátons que afloraram na superfície, ou seja, não foram recobertos por outros tipos de estruturas geológicas.

Plataforma Continental: são composições de crátons recobertas por outras formações estruturais, geralmente por camadas de sedimentos, as bacias sedimentares. São também conhecidas por embasamentos cristalinos e geralmente são formadas por regiões de depressões relativas, salvo quando a cobertura sedimentar é muito extensa.

Dobramento moderno (cadeias orogênicas ou cinturões orogênicos): Os dobramentos modernos são estruturas formadas por rochas magmáticas e sedimentares pouco resistentes que foram afetadas por forças tectônicas durante o período Terciário provocando o enrugamento e originando as cadeias montanhosas ou cordilheiras. ...

Dobramento Antigo: As cadeias orogênicas antigas, ou dobramentos antigos, são formação geológica antiga, as quais datam do Pré-Cambriano. Apresentam baixa altitude pelo intenso processo erosivo submetido ao longo de muitos milhões de ano.

Bacias Sedimentares: são depressões existentes no relevo, que são preenchidas por sedimentos de origem orgânica (vegetais, animais mortos, algas) e por rochas que passaram por processo de erosão. São de grande importância econômica, pois são responsáveis por fontes de energia de origem fóssil (petróleo e carvão mineral).

9. FORMAS DO RELEVO

Depressão: A altitude da superfície é mais baixa que as formas de relevo que as circundam.

Depressão absolutas: quando estão abaixo do nível do mar.

Depressão relativa: quando estão acima do nível do mar.

Montanha: Forma do relevo que apresenta grandes altitudes é formas acidentadas, também chamadas de dobramentos modernos ou áreas orogenéticas.

As montanhas podem ser recentes e apresentam características como:
grandes altitudes; picos abruptos(muito inclinado); atividade vulcânica intensa; datam geralmente do período Terciário da Era cenozoica;

 As montanhas antigas apresentam características como:
pequenas altitudes; formas arredondadas; formadas na Era Arqueozoica, Proterozóica ou Paleozóica;

PLANALTOS - superfícies onduladas de formas irregulares onde a erosão supera a deposição de sedimentos e podem ser, relativamente planos ou inclinados.

OBS: O planalto é resultante de processos erosivos. Nas bordas dos planaltos geralmente aparecem as “escarpas”, que são chamadas de serras.

Planície: É uma área de superfície relativamente plana (pouca ou nenhuma variação de altitude), encontradas, na maioria das vezes, em regiões de baixas altitudes, próximas aos planaltos e formadas por rochas sedimentares. Nestas áreas, ocorre mais sedimentação que erosão. Pode ser de dois tipos marítimas ou costeiras, continental.

Planície Continental: é aquela planície que ocorre no continente, podem ser lacustres, isto é onde vários lagos são preenchidos por sedimentos, dando origem a pequenas planícies e fluviais que são drenadas por rios.

Planície Fluvial: formadas pela ação de um rio, ou seja, pela decomposição de sedimentos dos rios.

Planície Lacustre: formadas pela ação de um lago, ou seja, pela decomposição de sedimentos dos lagos.

Planícies Marítimas ou Costeiras: situam-se ao longo dos litorais, tendo largura variável, podendo der estreitas ou longas como a planície do litoral.



segunda-feira, 4 de maio de 2020

9 ANO CAPÍTULO 4 - Paisagens naturais da Ásia, Europa



9 ANO CAPÍTULO 4 - Paisagens naturais da Ásia, Europa.

No que se refere à dimensão, a Ásia é o maior dos continentes e ocupa uma área de quase 44 milhões de km², ou cerca de 30% das terras emersas no planeta.

 Separa-se da África pelo oceano e também pelo canal de Suez, na Península do Sinai, onde fica a fronteira entre Egito (África e Ásia) e Israel (Ásia), e o Mar Vermelho.

A Austrália, mesmo sendo maior que a Nova Zelândia, não é considerada uma ilha e sim o menor continente do planeta.

A Oceania é  um  continente  composto  pela  Austrália,  considerada  uma  potência  continental  por  ter  a  maior economia e ocupar mais de 93% da área total, e pelos vários países insulares (ilhas).

 A Nova Zelândia é a maior e mais desenvolvida ilha da Oceania entre eles.

A Oceania é fragmentada em milhares de ilhas que se espalham pelos arquipélagos do Pacífico, além das extensões maiores representadas pela Austrália, Nova Zelândia e a parte oriental da ilha da Nova Guiné, onde se situa o país Papua Nova Guiné.

Na parte ocidental   de Papua Nova Guiné, fica a Indonésia, e a fronteira entre esses países é o marco divisório da Oceania com o continente asiático, já que a Indonésia é considerada parte da Ásia.
A Austrália e Nova Zelândia, formam a Australásia,

A Oceania pode ser regionalizada conforme a localização das ilhas e países que a compõem em três regiões: 

A Melanésia, a Micronésia e a Polinésia todas elas se distribuem no Oceano Pacífico.

Relevo e hidrografia

A Eurásia formou-se, há cerca de 55 milhões de anos, da divisão de um supercontinente extinto denominado Laurásia.

A Eurásia foi formada a partir da divisão da Pangeia – LAURÁSIA - porção NORTE.

Na mesma época, a Índia, uma grande ilha, iniciava seu processo de colisão com a Eurásia,  formando a cordilheira do Himalaia e construindo o relevo acidentado da região meridional da Ásia.

A Oceania, formou-se divisão da Pangeia – GONDWANA - parte SUL.

Há cerca de 33 milhões de anos, a Austrália separava-se da Antártica, deslocando-se mais ao norte.
As ilhas de origem vulcânica dispersas pelo Pacífico são ainda mais jovens, com idade aproximada de 8 milhões de anos, e resultam da movimentação das várias Placas Tectônicas que formam o assoalho desse oceano.

OUTRAS FORMAS DE RELEVO DA ÁSIA E OCEANIA

PLANALTOS ANTIGOS

Planaltos antigos e erodidos pela ação do tempo no Irã, Mongólia e interior da Austrália;

Planaltos cobertos por rochas originadas de derrames de magma, como na Sibéria Central e no sul da Índia;

Planaltos soerguidos pela colisão de placas da litosfera, como o Planalto do Tibete, no oeste da China;

CADEIAS DE MONTANHAS

Cadeias de montanhas dispostas em sentido latitudinal, como os Pirineus, entre a França e Espanha (sudoeste da Europa);

Cadeias de montanhas dispostas em sentido longitudinal, como os Apeninos, na Itália; os Urais, na Rússia; os Alpes japoneses, no Japão; e a Grande Cordilheira Divisória, na Austrália;

Alpes, que se estendem da França até a Eslovênia, passando por diversos países no centro--sul do mesmo continente;

Cáucaso, no Azerbaijão, Geórgia, Rússia e Armênia, divisa entre Ásia e Europa;

Himalaia, no sul da Ásia.

Extensas planícies que se estendem por quase toda a região setentrional da Europa e da Ásia;

Depressões interiores drenadas por bacias hidrográficas endorreicas (que terminam no interior  dos  continentes)  no  entorno  dos  mares  Cáspio, Aral e Morto e no centro-leste da Austrália, na Grande Bacia Artesiana.

RELEVO E HIDROGRAFIA DA EURÁSIA

Os planaltos mais antigos da Eurásia, são os originados em áreas de escudos cristalinos e de formações geológicas pré-cambrianas e, em alguns casos, sobre bacias sedimentares. 

Bacias sedimentares de antigos ambientes marinhos, pressionadas por forças tectônicas, desenvolveram condições favoráveis para a formação de petróleo.

As bacias sedimentares marinhas localizadas nos mares Negro e Cáspio, no Leste Europeu e Golfo Pérsico, que fica entre a Arábia Saudita e o Irã, no Oriente Médio, tem uma das principais jazidas petrolíferas e de gás natural do mundo.

RIOS E LAGOS DA EURÁSIA

Grandes civilizações do passado se desenvolveram junto a importantes rios da Ásia e da Europa.

Entre cerca de 10 mil e 5 mil anos atrás, aproximadamente, muitas das superfícies planas que periodicamente eram inundadas por eles, principalmente no médio e baixo vales, transformaram-se em espaços de cultivo e domesticação de animais. 

Posteriormente, nesses mesmos locais, se desenvolveram sítios urbanos. 

Mesmo nos dias de hoje, importantes cidades europeias e asiáticas nasceram e cresceram nas margens de rios ou mesmo em ilhas fluviais.

Entre elas, destacam-se:

Europa:  Londres, capital do Reino Unido, às margens do Rio Tâmisa; Paris, capital da França, às margens do Rio Sena; as alemãs Hamburgo, no Rio Elba, e Colônia, no Reno;

Ásia: Bagdá, capital do Iraque, às margens do Rio Tigre; a indiana Calcutá, no Rio Ganges; a chinesa Nanquim, no Rio Yangtsé.

As mais altas e extensas cadeias de montanhas são também os principais divisores de bacias.
Nelas nascem rios que descem as encostas das cordilheiras.

Nos planaltos e planícies, suas águas se avolumam com a contribuição dos afluentes.

Os lagos europeus e asiáticos se localizam geralmente mais ao norte e têm, em sua maioria, origem glacial.
Com o recuo da glaciação após a última Idade do Gelo, finalizada há cerca de 20 mil anos, milhares de lagos se formaram da Irlanda à Sibéria.

A Suíça e  mais  ainda  a  Finlândia,  entre  outras  características,  são  conhecidas  pela  grande  quantidade  de  lagos  que se distribuem aos milhares por seus territórios.

A Rússia também apresenta grande quantidade de lagos de origem glacial, entre os quais, pela extensão, se destacam o Ladoga, com cerca de 18 mil km², e o Onega, com superfície de quase 10 mil km².

Há também lagos de origem tectônica, formados em falhas geológicas.

O mais extenso entre eles é o Bajkal, na região siberiana da Rússia.

O lago Bajkal tem mais de 30 mil km² e uma profundidade superior a 1 600 metros;

O lago Bajkal se localiza sobre uma extensa falha que pode estar ligada à formação de outras depressões;

Mais de 300 rios desembocam no lago Bajkal, que, entre os de água doce, é o mais volumoso do continente asiático.

O  lago Bajkal constitui uma bacia endorreica, já que os rios que nele desembocam não têm sua foz no oceano, e sim no interior do continente





domingo, 3 de maio de 2020

1º ANO - ESTRUTURA DO RELEVO



1º ANO - ESTRUTURA DO RELEVO 

1. CAMADAS DO PLANETA.

Crosta: A crosta é porção externa, fina e rígida da Terra, é composta de material rochoso formado predominantemente por silício, alumínio e magnésio e é dividida em crosta continental e crosta oceânica. 

Crosta Oceânica ou Sima:  É a parte mais inferior da crosta nos fundos dos oceanos, formada por rochas a base de silício e magnésio. Apresenta espessura média de 7,5 km e é a parte mais recente ou nova da estrutura geológica do planeta.

Crosta continental ou Sial: É a parte mais superficial da crosta, formada por rochas a base de silício e alumínio. Apresenta maior espessura, a qual varia de 30 a 80 km e é a parte mais antiga do planeta.

Manto: É a camada intermediaria do planeta, formada a base de ferro,  é dividida em manto superior e inferior, constituída por magma em estado de fusão, ocupa cerca de 80% do volume da Terra. A diferença de temperatura no manto é responsável pela corrente de convecção do manto, que vão provocar o movimento das placas tectônicas na superfície terrestre.

OBS.:
Astenosfera: Camada imediatamente inferior a litosfera, comportando-se como um fluido viscoso, sobre a qual as placas tectônicas se movimentam.

A região entre a crosta e o manto é chamada de descontinuidade de descontinuidade de MOHOROVICIC ou MOHO.

A região entre o manto e o núcleo é chamada de descontinuidade de GUTEMBERG

Manto superior é a parte mais externa do manto e é constituído por um material mais plástico, com temperaturas e densidades menores.

Manto inferior, por sua vez, apresenta uma consistência quase líquida e com maior densidade. 

Núcleo: 
camada existente no centro do planeta formada por níquel e ferro, sendo por isso também chamado de NiFe.
Apresenta até a 6000ºC.
Representa um terço de toda a massa terrestre.
Sua profundidade vai de 2900 km até os 6370 km.
Ele pode ser subdividido em duas camadas o núcleo interno e o núcleo externo.
É responsável pelo magnetismo do planeta terra.



Núcleo externo
Situa-se entre o núcleo interno e o manto terrestre,
Formado por ferro e o material está em estado líquido,
Forma o campo magnético da Terra.
Apresenta temperatura média de  3000ºC;
Sua extensão vai de 2900 km até os 5000 km.

Núcleo interno deve ter a mesma composição que o externo, é sólido com 6000°C de temperatura tem 1.250 km de espessura. Apresenta pressão extremamente elevada, Forma-se, então, uma liga metálica maciça de níquel e ferro, o que faz com que essa camada seja também chamada de NIFE.

2. LIMITES DE PLACAS

Fronteira construtiva ou divergente: rocha fundida que sobre a Astenosfera e forma nova litosfera nas cordilheiras oceânicas.

Fronteira destrutiva ou convergente: nas zonas de Subducção, a litosfera oceânica é forçada para baixo da litosfera continental, penetrando na Astenosfera com ângulo de aproximadamente 45°.

Fronteira conservativa, tangencial ou transformante: nas falhas de transformação, as placas deslizam umas ao lado das outras e a litosfera não é criada nem destruída.

Zona de Subducção: mergulho de uma placa oceânica sob uma placa continental.
Zona de Obducção: mergulho de uma placa continental sob outra placa continental.
Zona de Agregação: região de divergência de placas permitindo a saída de material


Círculo de Fogo do Pacífico, Anel de Fogo do Pacífico e Cinturão de fogo do pacífico: é uma zona de elevada instabilidade geológica, cuja forma possui um aspecto de curvatura em ferradura ao longo do maior oceano do mundo. Com mais de 40 mil quilômetros de extensão, ele situa-se a oeste das Américas e a leste da Ásia e da Oceania.  

Deriva continental é a teoria, formulada por Alfred Wegener, que trata do movimento dos continentes pelo globo terrestre, provocado pelo tectonismo. Esta teoria afirma que as terras emersas do nosso planeta vêm se movimentando desde de sua consolidação.

Tectônica de placas: é a teoria que afirma que a litosfera estar quebra em vários pedaços os quais chamamos de placas tectônica e que elas estão em movimento impulsionadas pelo movimento de convecção do magma.

Placas Tectônicas: são pedaços da crosta terrestre limitadas por zonas de convergência, divergência ou transformante e que estão em constante movimento, os quais provocam transformações na crosta por meio de terremotos e erupções vulcânicas.
Pangea ou Pangéia: Nome dado ao megacontinente que existiu a cerca de 250 milhões de anos atrás, formado pela junção de todos os continentes hoje existentes.

Laurásia: Supercontinente do norte que surgiu logo após a divisão de Pangeia, a Laurásia incluía os continentes que hoje formam o Hemisfério Norte, incluindo a América do Norte, Europa e Ásia do Norte.

Gondwana: Supercontinente do sul que surgiu logo após a divisão de Pangeia, a Gondwana incluía os continentes que hoje formam América do Sul, África, Oceania, Antárctica e o subcontinente indiano.  

3. FORÇAS ENDÓGENAS OU AGENTES CONSTRUTORES DO RELEVO

Agentes internos ou endógenos: São as forças internas que tem sua origem nas pressões que o magma exerce sobre a crosta terrestre. Essas pressões provocar vulcanismo e o tectonismo, como a formação de 
dobras e fraturas e a criação montanhas.

Tectonismo: Movimentos lentos, mais ou menos prolongados que ocorrem na crosta terrestre, resultado da ação das forças internas do planeta. Existem duas formas de Tectonismo: epirogênese e orogênese.

Abalo sísmico ou terremoto: É um tremor na superfície terrestre produzido pela movimentação das placas tectônicas, a movimentação das placas tectônica se dá devido ao movimento de convecção do magma, no manto terrestre.
Orogênese _ deslocamentos de grande intensidade da crosta terrestre. São capazes de gerar cadeias montanhosas, provocando dobramentos ou falhamento

Dobramentos ou Dobra: É enrugamentos  de forma acentuadamente côncavo-convexa, voltados para cima ou para baixo, que ocorrem nas rochas quando submetidas a pressões horizontais de duas placas tectônicas

Obs:
Os dobramentos ocorrem quando a orogênese atua em rochas de boa plasticidade.
Os falhamentos ocorrem quando a ação da orogênese se dá sobre um substrato rochoso muito solidificado.

O que são dobramentos modernos
Ocorridos no período terciários (início da Era Cenozoica), os dobramentos modernos são estruturas da superfície terrestre formadas a partir do deslocamento das placas tectônicas convergentes no começo do período Terciário 

São exemplos de cadeias formadas por dobramentos modernos
Montanhas Rochosas – América do Norte
Andes – América do Sul
Cadeia dos Alpes – Europa
Cadeia do Atlas – África;
Cadeia do Cáucaso e Cordilheira do  Himalaia – na Ásia.

Características principais:
Compostas, principalmente, por rochas magmáticas e metamórficas.
Regiões que apresentam elevada altitude com relevo em formato pontiagudo. São as áreas mais elevadas do mundo.
Apresentam instabilidade tectônica, possibilidade elevada de abalos sísmicos (terremotos).
Presença de minerais (metálicos e não metálicos) no terreno que foi elevado.
Relevo que teve baixa ação do processo de erosão, em função de serem recentes.
Presença de rios em função da forte inclinação do relevo e das altitudes elevadas.

Falhamento ou Falha: É o Local na superfície onde encontramos rocha fraturada ao longo da qual houve deslocamento vertical ou horizontal, o qual pode variar de alguns centímetros até quilômetros.

Epirogênese: É o movimentos verticais da crosta terrestre, provocando soerguimentos e rebaixamentos de partes da litosfera.

Soerguimento: Movimento lento e  vertical para cima (positivo) realizado pelas placas tectônicas

Subsidência: Movimento lento e  vertical para baixo (negativo) realizado pelas placas tectônicas

Vulcanismo: É um fenômeno geológico que ocorre do interior da Terra para a superfície, quando há o extravasamento do magma em forma de lava, além de gases e fumaça.

4. FORÇAS EXÓGENAS OU AGENTES MODELADORES DO RELEVO
Agente externo ou exógeno
Erosão: É o processo de transporte das partículas de rochas decompostas ou desagregadas pelo 
intemperismo
Intemperismo ou meteorizarão – É o conjunto de processos químicos, físicos e biológicos responsável pela desagregação (quebra) ou decomposição das rochas.
 É por intermédio do intemperismo que se formam os sedimentos (partículas de rochas) e também os solos, que são exatamente constituídos de rochas decompostas e desagregadas.

Intemperismo físico – degradação da rocha por meio de processos físicos, sem alteração da sua composição química. É o processo que é responsável pelas fragmentações ou meteorização  nas rochas.

Forças Externas:  fatores externos causam modificações na superfície terrestre.
Ação Humana,  As chuvas, Água corrente, O vento, O gelo, O calor,
A GRAVIDADE, que intensifica as forças que desgastam e modificam o relevo terrestre (erosão de superfície)

Intemperismo químico – conjunto de reações químicas que alteram os minerais que compõem as rochas. Nesse processo a composição química da rocha muda.

Intemperismo biológico: é o processo de transformação das rochas a partir da ação de seres vivos, como bactérias ou até mesmo animais. Incluem-se nesse processo as raízes das árvores, as ações de bactérias, a decomposição de organismos ou excrementos, entre outros.

Mineral: É todo elemento ou composto químico encontrado naturalmente na crosta terrestre.

Minério: mineral ou rocha produz uma ou mais substâncias com valor econômico.

Rocha: É agregado natural formado por um ou mais minerais.
5. TIPOS DE ROCHA

Rochas Magmáticas: formadas por solidificação de rochas fundidas (magma);
Rochas extrusivas ou vulcânicas são aquelas formadas a partir da expulsão do magma devido às erupções vulcânicas, tendo um rápido resfriamento ao atingir a superfície, passando do estado líquido ou gasoso num pequeno intervalo de tempo.
Rochas intrusivas ou plutônicas: são aquelas formadas por um lento resfriamento do magma, originárias de regiões profundas no subsolo, dando origem a cristais.

Rochas Sedimentares: formadas por deposição de materiais em ambientes continentais ou marinhos;

Rochas Metamórficas: formadas pela transformação de rochas pré-existentes no estado sólido devido ao aumento da pressão e da temperatura.

6. ETAPAS DE FORMAÇÃO DAS ROCHAS SEDIMENTARES:
1. Intemperismo: conjunto de processos que ocasionam a decomposição dos minerais das rochas devido à ação dos agentes climáticos.
2. Transporte: trata-se da movimentação do material erodido até uma área deprimida, através da ação dos elementos do clima, como a água e o vento, que transportam esses materiais a longas distâncias até uma bacia de sedimentação.
3. Deposição: os materiais erodidos são depositados em áreas deprimidas (mais baixas), geralmente fundos de mares e oceanos.
4. Litificação: após o depósito dos materiais erodidos, sob a ação do tempo e da pressão, os sedimentos transformam-se em rochas sedimentares, através do processo de litificação.

7. TIPOS DE ROCHAS SEDIMENTARES
Detríticas: quando formadas a partir de fragmentos de rochas preexistentes de tamanhos variados.
Químicas: formadas pela precipitação de solutos ou evaporação da água: sal, calcita.
Orgânicas: constituídas através do acúmulo de restos de organismos vegetais e animais: carvão, calcário, betume.

8. TIPOS DE ESTRUTURA GEOLÓGICA

CRÁTONS OU CRATÕES são estruturas geológicas caracterizadas pela sua estabilidade e composição antiga, tendo se formado durante a era Pré-Cambriana, Sua composição é de rochas magmáticas e metamórficas.

TIPOS DE CRÁTONS

Escudos Cristalinos: são também chamados de maciços antigos e caracterizam-se por serem compostos por rochas cristalinas (magmáticas e metamórficas). São tipos de crátons que afloraram na superfície, ou seja, não foram recobertos por outros tipos de estruturas geológicas.

Plataformas: são composições de crátons recobertas por outras formações estruturais, geralmente por camadas de sedimentos, as bacias sedimentares. São também conhecidas por embasamentos cristalinos e geralmente são formadas por regiões de depressões relativas, salvo quando a cobertura sedimentar é muito extensa.

Dobramento moderno (cadeias orogênicas ou cinturões orogênicos): Os dobramentos modernos são estruturas formadas por rochas magmáticas e sedimentares pouco resistentes que foram afetadas por forças tectônicas durante o período Terciário provocando o enrugamento e originando as cadeias montanhosas ou cordilheiras. ...

Dobramento Antigo: As cadeias orogênicas antigas, ou dobramentos antigos, são formação geológica antiga, as quais datam do Pré-Cambriano. Apresentam baixa altitude pelo intenso processo erosivo submetido ao longo de muitos milhões de ano.
Bacias Sedimentares: são depressões existentes no relevo, que são preenchidas por sedimentos de origem orgânica (vegetais, animais mortos, algas) e por rochas que passaram por processo de erosão. São de grande importância econômica, pois são responsáveis por fontes de energia de origem fóssil (petróleo e carvão mineral).
9. FORMAS DO RELEVO

Depressão: A altitude da superfície é mais baixa que as formas de relevo que as circundam.
Depressão absolutas: quando estão abaixo do nível do mar.
Depressão relativa: quando estão acima do nível do mar.

Montanha: Forma do relevo que apresenta grandes altitudes é formas acidentadas, também chamadas de dobramentos modernos ou áreas orogenéticas.

As montanhas podem ser recentes e apresentam características como:
grandes altitudes; picos abruptos(muito inclinado); atividade vulcânica intensa; datam geralmente do período Terciário da Era cenozoica;
 As montanhas antigas apresentam características como:
pequenas altitudes; formas arredondadas; formadas na Era Arqueozoica, Proterozóica ou Paleozóica;

PLANALTOS - superfícies onduladas de formas irregulares onde a erosão supera a deposição de sedimentos e podem ser, relativamente planos ou inclinados.
OBS: O planalto é resultante de processos erosivos. Nas bordas dos planaltos geralmente aparecem as “escarpas”, que são chamadas de serras.

Planície: É uma área de superfície relativamente plana (pouca ou nenhuma variação de altitude), encontradas, na maioria das vezes, em regiões de baixas altitudes, próximas aos planaltos e formadas por rochas sedimentares. Nestas áreas, ocorre mais sedimentação que erosão. Pode ser de dois tipos marítimas ou costeiras, continental
Planície Continental: é aquela planície que ocorre no continente, podem ser lacustres, isto é onde vários lagos são preenchidos por sedimentos, dando origem a pequenas planícies e fluviais que são drenadas por rios.
Planície Fluvial: formadas pela ação de um rio, ou seja, pela decomposição de sedimentos dos rios.
Planície Lacustre: formadas pela ação de um lago, ou seja, pela decomposição de sedimentos dos lagos.
Planícies Marítimas ou Costeiras: situam-se ao longo dos litorais, tendo largura variável, podendo der estreitas ou longas como a planície do litoral.


CONCEITOS SOBRE RELEVO