sexta-feira, 21 de agosto de 2015

1º ANO POPULAÇÃO

CONCEITOS POPULACIONAIS

População absoluta: corresponde a população total de um determinado local. Quando um local tem uma população absoluta numerosa, dizemos que ele é populoso

Densidade demográfica ou população relativa: corresponde à média de habitantes por quilômetros quadrados. Para obtê-la deve –se dividir a população absoluta pela área.

Taxa de mortalidade: corresponde a relação entre o número de óbitos ocorridos em um ano e a população absoluta, o resultado é expresso por mil.
       TM = N.º de óbitos X 1000 / População absoluta

Taxa de natalidade: corresponde a relação entre o número de nascimentos ocorridos em um ano e a população absoluta, o resultado é expresso por mil.
       TN = N.º de nascimentos X 1000 / População absoluta

Crescimento vegetativo ou natural: corresponde a diferença entre a taxa de natalidade e a taxa de mortalidade.
      C.V = TN – TM
O crescimento vegetativo não corresponde a única forma possível de crescimento ou redução da população mundial, deve se considerar as migrações.

Taxa de fecundidade: corresponde a média de filhos por mulher na idade de reprodução. (15 a 45 anos ou 12 a 49 anos)

Taxa de mortalidade infantil: corresponde ao número de crianças de 0 à 1 ano que morrem para cada grupo de mil nascidas vivas.

Expectativa de vida: É quantidade de anos que vive em média a população. É um indicador muito utilizado para verificar o nível de desenvolvimento dos países.

Migração: É o deslocamento de toda a população ou de parte dela, de forma permanente ou temporário.

Emigração: é a saída da população de uma área. 

Imigração: é a entrada da população em uma área.
Para que exista migração deve haver o fator de atração e o Fator de repulsão

Xenofobia – Constitui-se em uma aversão (preconceito, hostilização) ou medo ao estrangeiro.
Xenofobia é uma palavra de origem grega que significa antipatia ou aversão a pessoas e objetos estranhos, ou seja, é o preconceito acontece quando há aversão em relação à raça, cultura, opção sexual, etc.

Êxodo rural: É a transferência da população rural para o espaço urbano. Esse tipo de migração em geral tende a ser definitivo. Causas: Industrialização, a expansão do setor terciário e a mecanização da agricultura.

Êxodo urbano: tipo de migração que se dá com a transferência de populações urbanas para o espaço rural.

Migração urbano-urbano: tipo de migração, que se dá com a transferência de populações de uma cidade para outra. Tipo de migração muito comum nos dias atuais.

Migração ou movimento pendular: É aquela realizada por trabalhadores diariamente, nas grandes cidades. Trabalham em uma cidade e moram em outra. Saem todas as manhãs de sua casa em direção do seu trabalho, e retornam no final do dia.

PIRÂMIDE ETÁRIA:
É um gráfico populacional que leva em consideração a estrutura sexual da população (homens e mulheres ) e as faixas  etárias
BASE - a porção inferior -, que representa a população jovem (de O a 14 anos ou de O a 19 anos);
CORPO - a porção intermediária, que representa a população adulta (de 15 a 59 anos ou de 20 a 59 anos);
CUME, ÁPICE OU PICO - a porção superior-. Que representa a população idosa ou velha (igual a 60 anos ou mais). Veja imagem no final do Artigo

Emprego formal: é aquele emprego com carteira assinada, o qual tem todos os benefícios trabalhistas.


Emprego Informal: é aquele emprego sem carteira assinada, ou seja, sem nenhuma garantia trabalhista.

DESEMPREGO

Desemprego conjuntural: que é aquele que está ligado a momentos de crise econômica, nas quais a oferta de empregos e os postos ocupados diminuem. Após acabar a crise econômica que gerou o desemprego, os postos de trabalho voltam a ser ocupados, gerando novos empregos formais.

Desemprego estrutural ou tecnológico: que está ligado a estrutura produtiva, e aos avanços tecnológicos (máquinas ou sistemas) introduzidos na produção, em substituição da mão de obra humana, como a robótica. 

Principais causas do desemprego estrutural. 

Implantação de robôs no processo de produção industrial.

Instalação de caixas eletrônicos em agências bancárias.

Informatização em empresas e órgãos públicos, visando diminuir os processos burocráticos.

Uso da Internet para serviços bancários, compras online e outros serviços.

SETORES DA ECONOMIA

Setor primário: que envolve em geral atividades ligadas ao meio rural, como, a agricultura, pecuária, extrativismo vegetal e a pesca.

Setor secundário: que envolve as atividades industriais.

Setor terciário: que envolve as atividades do comércio, prestação de serviços, funcionalismo público, etc. Pode ser classificado ainda como terciário-quaternário setor ligado à educação e a produção de tecnologia de ponta (avançada), robótica, cibernética, informática e pesquisa.

DIT: Divisão internacional do trabalho: É a divisão das atividades econômicas de cada país, ou seja, a função que cada país tem no comércio internacional.      

IDH: 
Índice de desenvolvimento humano mede o nível de desenvolvimento ou a qualidade de vida de uma população e é calculado a partir do PIB per capita, longevidade e educação.        
                                           
IPH: Índice de pobreza humana, criado pelo PNUD e mede as carências quanto ao desenvolvimento humano.         
                                                  
PPC: Paridade do poder de compra é o método alternativo para se calcular o poder de compra entre a população de dois ou mais países.     
      
FASES DO CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO
Primeira fase: caracterizada por elevadas taxas de natalidade e mortalidade, originando baixo crescimento populacional.  O Brasil passou essa fase no início do século XX.

Segunda fase: caracterizada por elevadas taxas de natalidade e declínio das taxas de mortalidade, gerando elevado crescimento populacional.
É a transição demográfica propriamente dita, que antecede a última os países desenvolvidos concluíram essa fase nas primeiras décadas do século XX.
 O Brasil atingiu o auge dessa fase na década de 50, quando as taxas de crescimento populacional se aproximaram de 3% ao ano.

Terceira fase: caracterizada por baixas taxas de natalidade e de mortalidade, Gera baixíssimo crescimento populacional, estagnação e até mesmo taxas negativas de crescimento.
O Brasil só deverá ingressar nessa fase no início do século XXI.  Por volta do ano 2030, o Brasil estará completando o seu ciclo demográfico.
A queda na taxa de fecundidade é uma das principais características da transição demográfica brasileira.

TEORIAS DEMOGRÁFICAS

 TEORIA MALTHUSIANA
Exposta em 1798, foi a primeira teoria demográfica de grande impacto e até hoje a mais popular de todas, apesar das falhas que apresenta.
Os problemas socioeconômicos (desemprego, fome, êxodo rural, rápido aumento populacional) decorrentes da Revolução Industrial e que afetavam seriamente a Inglaterra, provocou o surgimento desta teoria demográfico.
 A principal causa dos problemas que afetavam a INGLATERRA era o grande crescimento populacional, especialmente dos mais pobres
 A solução estaria no controle da natalidade, que deveria basear-se na sujeição moral do homem (casamento tardios, abstinência sexual, etc.).  Sua tarefa é, portanto, nitidamente ANTINATALISTA e conservadora.

PRINCÍPIOS DA TEORIA MALTHUSIANA
Caso não seja detida por obstáculos (guerras, epidemias, etc.), a população tende a crescer segundo uma progressão geométrica (PG), A produção de alimentos em ritmo de uma progressão aritmética PA.
 A fome e a miséria eram resultantes do elevado crescimento populacional.  A solução, portanto, estava no controle da natalidade.

OS NEOMALTHUSIANOS
No pós-segunda Guerra Mundial, as taxas de crescimento demográfico foram muito elevadas no Terceiro Mundo, surgiu uma situação de grande fome e miséria, ressuscitaram as ideias de Malthus.
Os neomalthusianos, passam a responsabilizar o subdesenvolvimento e o elevado crescimento demográfico como os culpados pelo referido quadro de horror.
Para os neomalthusianos a solução estava na implantação de políticas oficiais de controle de natalidade mediante o emprego de pílulas anticoncepcionais, abortos, laqueadura das trompas, vasectomia, etc.  
Apesar de vários países terem adotados essas medidas, a situação de fome e miséria continua existindo.

OS REFORMISTAS OU MARXISTAS
Os reformistas admitem que a situação de pobreza e o subdesenvolvimento é provocada pelo excessivo crescimento demográfico e consequente estado de miséria.
Diante disso, os reformistas defendem a adoção de profundas reformas sociais e econômicas para superar os graves problemas do Terceiro Mundo.
A redução do crescimento viria como consequência de tais reformas socioeconômicas, ou seja, melhor distribuição de renda para a população.


Nenhum comentário:

Postar um comentário