terça-feira, 26 de julho de 2011

6º ANO - DINÂMICA DA LITOSFERA E FONTES DE ENERGIA

CROSTA: A porção sólida mais externa da Terra é a litosfera;

É dividida em oceânica e continental;

A distância média entre a superfície do planeta e o centro é de 6 370 km;

A litosfera é dividida em crosta terrestre (continental e oceânica) e a parte mais externa e sólida do manto chamada de ASTENOSFERA;

A espessura da litosfera varia de alguns poucos quilômetros sob áreas oceânicas até 80 km sob áreas continentais;

A litosfera está em constante movimento.


MANTO: É a camada intermediária da litosfera e pode atingir até 2 900 km;

É dividido em manto superior, (rocha semilíquida plástica, maleável) e onde fica a ASTENOSFERA;

E o manto inferior que para maior parte dos pesquisadores, há rochas sólidas;


NÚCLEO: É a parte interna e mais quente do planeta;

O calor pode chegar até 4800ºC;

Há predomínio de níquel e ferro;

É dividido em núcleo interno (sólido) e o externo (líquido);


ROCHA: É um conjunto de minerais consolidados;


MINERAIS: são elementos que possuem uma estrutura química bem definida;


MINÉRIO: É todo mineral com valor comercial;


AFLORAMENTOS DE ROCHAS: rochas visíveis na superfície terrestre;


MAGMA: rocha derretida em estado pastoso que fica situada embaixo da crosta terrestre;


BASALTO: Rocha de origem vulcânica que dá origem a solos férteis, como a terra roxa, que cobre vastas áreas do sul, sudeste e centro-oeste do país.


AS ROCHAS PODEM SER CLASSIFICADAS EM TRÊS GRUPOS PRINCIPAIS, SEGUNDO A SUA ORIGEM:


ROCHAS ÍGNEAS OU MAGMÁTICAS - São as rochas que se formaram a partir do magma solidificado.

Quando o magma é solidificado no interior da Terra, formam-se as rochas intrusivas ou plutônicas;

Quando o magma é expelido pelos vulcões e fissuras na crosta, originam-se as rochas extrusivas ou vulcânicas, como o basalto, comuns na Região Centro-Sul do país;


ROCHAS SEDIMENTARES: As rochas sedimentares cobrem em torno de 75% da superfície dos continentes e são formadas pelo desgaste de outras rochas.

Os sedimentos são transportados pelo vento, pela água de rios, lagos, mares e chuvas e pelas geleiras.

Os sedimentos são depositados em outras áreas, geralmente na forma de camadas ou estratos.

As camadas de sedimentos mais novas vão se depositando sobre as mais antigas.

As rochas sedimentares também podem ser formadas pela deposição e compactação de matéria orgânica, como é o caso do carvão mineral.

Sedimentação é todo o processo de acumu¬lação, compactação e solidificação de fragmentos de rochas e detritos orgânicos.

Exemplos de rochas sedimentares são os arenitos, calcário, o argilito e o carvão mineral.


ROCHAS METAMÓRFICAS: As rochas metamórficas resultam da transformação ou metamorfização de outras rochas (ígneas sedimentares ou mesmo outras rocha).

ESTA TRANSFORMAÇÃO, ocorre sob diferentes condições de temperatura e pressão no interior da crosta).

Os exemplos deste tipo de rocha são o gnaisse e mármore de alto valor comercial, utilizados em pias, mesas e pisos.

AGENTES EXTERNOS: São os agentes que modelam, ou seja, dão forma ao relevo e eles são os ventos, as variações de temperatura, a chuva, as águas superficiais (rios, oceanos, mares e lagos), o gelo, as águas subterrâneas e os seres vivos.



AGENTES INTERNOS: São aqueles agentes que agem a partir do interior do planeta, como o tectonismo e o vulcanismo;


CICLO DA ROCHA: É a ligação entre as rochas e as modificações sofridas por elas no decorrer do tempo.


TEORIA DA DERIVA CONTINENTAL: É a teoria que explica o processo de deslocamento da litosfera o qual provoca mudanças na posição dos continentes e modifica o relevo da Terra.


TEORIA DA TECTÔNICA DE PLACAS: A Teoria da Tectônica das Placas explica o lento e contínuo deslocamento das placas que formam a crosta do planeta Terra e as consequências que esses movimentos provocam, ou seja, ela complementa a teoria da Deriva Continental.


LIMITES DE PLACAS OU MOVIMENTOS DAS PLACAS TECTÔNICAS.


DIVERGENTES: quando ocorre a separação de placas;

CONVERGENTES: quando se dá o encontro de placas;


TRANSFORMANTES: quando há o movimento paralelo entre placas.


CÍRCULO DE FOGO DO PACÍFICO.


Os limites das Placas Tectônicas são as regiões mais geologicamente instáveis da crosta terrestre.

O choque ou movimento entre as placas originam grandes cadeias montanhosas, como a Cordilheira dos Andes e do Himalaia, e os numerosos vulcões das Filipinas, Indonésia e Japão.

As cordilheiras, os terremotos e as erupções vulcânicas são mais frequentes nas áreas próximas aos limites das placas.

A área que contorna o Oceano Pacífico, chamado Círculo de Fogo do Pacífico, é a área que concentra a maior quantidade de vulcões ativos e de maior ocorrência de terremotos do planeta.


OROGENÉTICAS: faixas ou áreas onde ocorreram dobramentos, que originaram as montanhas.


ESCALA RICHTER: criada em 1935 pelo físico Charles Richter (1890-1985), mede a magnitude, ou seja, a força de um terremoto. Escrita em graus, ela começa no 1 e não tem limite para terminar.


VULCÕES E TERREMOTOS NO BRASIL


No Brasil não há, com freqüência, terremotos e não existe nenhum vulcão ativo na atualidade.

Os terremotos sentidos no Brasil ocorrem a centenas de quilômetros de nosso País, eles ocorrem na Cordilheira dos Andes entre as placas de NAZCA E A SUL AMERICANA e no meio do Oceano Atlântico entre as placas de SUL AMERICANA E A AFRICANA.

Outro fator que ajuda o Brasil a não sentir terremotos com freqüência e o fato de nosso país está situdo no centro da placa sul americana.


INTEMPERISMO FÍSICO: é o conjunto de processos que levam à desagregação das rochas, que ocorre principalmente pela variação de temperatura (calor – frio), pela ação dos ventos, das chuvas, dos rios, oceanos, mares e do gelo. Este tipo de intemperismo é muito comum em área de clima seco.


INTEMPERISMO QUIMICO: É o processo que gera a decomposição química das rochas por meio da reação dos minerais com a água. Este tipo de intemperismo é muito comum em área de clima chuvoso.


INTEMPERISMO BIOLÓGICO: É gerado por meio da atuação de micro-organismos, formigas, mamífero roedores, raízes de plantas e árvores, é menos atuantes que os outros dois tipos de intemperismo.


TIPOS DE EROSÃO


EROSÃO GLACIAL: É a erosão produzida pela ação do gelo;


EROSÃO EÓLICA: É a erosão produzida pela ação do vento;


EROSÃO MARINHA: É a erosão provocada pela ação das ondas, as marés e as correntes marinhas.


EROSÃO GLACIAL: As geleiras executam o trabalho de erosão e acumulação de sedimentos.

Em seu trabalho erosivo, aplainam o relevo.

Formam vales profundos quando descem entre montanhas.

Esses vales deram origem aos fiordes da Escandinávia. Muitos lagos foram formados pela ação das geleiras, como os do norte do Canadá, da Finlândia e norte da Rússia.


EROSÃO MARINHA: As ondas, as marés e as correntes marinhas trabalham continuamente, em conjunto, ora destruindo as rochas, ora acumulando sedimentos, formando o litoral dos continentes. São formas de relevo litorâneo originado do trabalho do mar:

• erosão - falésias e barreiras.

• acumulação - praias, restingas, enseadas, lagunas.


EROSÃO EÓLICA: Trabalho executado pela ação do vento sobre a superfície da terra.

O vento não tem, sozinho, o poder da erosão. Isso ocorre porque o vento transporta partículas de areia que, ao se chocarem com as rochas, provocam o seu desgaste.

A intensidade do trabalho erosivo depende da constituição da rocha.

O vento também executa o trabalho de acumulação, dele resultando solos férteis, como o loess, e as dunas, móveis ou fixas.


FORMAS DO RELEVO: Planalto, Planície , Depressão e Montanhas;


PLANALTO: Superfície mais ou menos plana, delimitada por escarpas, onde o processo de erosão é maior do que o processo de sedimentação. Existem planaltos cristalinos e planaltos sedimentares.


PLANÍCIE: Superfícies mais ou menos planas, onde o processo de sedimentação é atual, superando largamente o processo de erosão.

Os terrenos de uma planície são de natureza sedimentar.

Existem dois tipos principais de planície:

Costeiras, situadas no litoral; Continentais, situadas no interior dos continentes, como a planície Amazônica;

As planícies continentais podem ser lacustres, formadas por lagos, ou fluviais, construídas por depósitos fluviais.

A noção de planície não deve estar vinculada à noção de altitude e sim à noção de processo de formação (deposição de sedimentos), pois existem algumas, inclusive, situadas a mais de 1.000 metros de altitude, como é o caso das planícies de montanhas.


MONTANHA: São elevações naturais do terreno, que podem ser de diversas origens: montanhas de dobramentos, montanhas de falhamentos, montanhas vulcânicas, montanhas de erosão.


DEPRESSÃO: São áreas ou porções do relevo situadas abaixo do nível do mar, ou abaixo do nível das regiões que lhes são próximas (vizinha).

Absoluta, quando está abaixo do nível do mar, por exemplo, Mar Morto, a 392 metros abaixo do nível do mar, e Mar Cáspio, a 26 metros abaixo do nível do mar;

Relativa, quando está abaixo do nível das terras que lhe estão próximas.


FONTES DE ENRGIA


CLASSIFICAÇÃO OU TIPOS DAS FONTES DE ENERGIA



FONTE DE ENERGIA ANTIGA OU TRADICIONAL

Energia dos músculos ou muscular;

Tração Animal;

Fogo;

Água;

Vento;


FONTE DE ENERGIA MODERNA


Carvão mineral;

Petróleo;

Gás natural;

Energia nuclear ou atômica;

Energia hidroelétrica ou Hidreletricidade.



FONTE DE ENERGIA ALTERNATIVA


Solar; Eólica; Maremotriz; Geotérmica; Biomassa; Hidrogênio.


A BIOMASSA: Refere-se à energia obtida a partir de matéria orgânica vegetal e animal encontrada em diversas formas: lixos doméstico e industrial, madeira, bagaço de cana-de-açúcar (de onde se extrai o álcool etílico ou etanol), casca de arroz e diversos outros rejeitos.


A ENERGIA MAREMOTRIZ: Refere-se à força das marés, que pode gerar energia elétrica, a partir do represamento das águas de um estuário, durante as marés altas.


ENERGIA GEOTÉRMICA, sua produção limita-se às áreas do planeta onde há maior quantidade de vulcões ativos, como, por exemplo, na região do Círculo de Fogo do Pacífico.

AS USINAS EÓLICAS têm se desenvolvido recentemente. Da mesma forma que as usinas de energia solar, a eólica é limpa e causa poucos impactos ambientais.


COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS – OS TIPOS E COMO SÃO FORMADOS.


Os tipos de combustíveis fósseis são: Carvão mineral, Petróleo e Gás natural;


Eles são formados por um lento processo de decomposição


FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEL

As renováveis são continuamente repostas pela natureza e são formadas pelas fontes de energia alternativas mais a energia hidráulica ou hidrelétrica.


FONTES DE ENERGIA NÃO RENOVÁVEL


As fontes de energia não renováveis, esgotam-se com o uso,ou seja, não são rapidamente produzidas pela natureza.

Este tipo de fonte de energia são os chamados combustíveis fósseis (petróleo, carvão mineral e gás natural) e a energia nuclear, que depende da extração de minerais não renováveis, como o urânio.


Entre as cinco modernas fontes de energia, apenas uma, hidreletricidade ou energia hidroelétrica, não corre o risco de se esgotar (acabar). Recursos, como o carvão, o gás natural e o petróleo, têm até previsão de data para acabar.

PROBLEMAS QUE PODEM SURGIR COM A FALTA DE ENERGIA

A humanidade precisa se preparar para desenvolver as fontes de energia renováveis e torná-las mais eficientes e espalhadas pelo mundo.


Se houver falta de energia, o transporte, o padrão de consumo mundial cairia muito, as indústrias parariam, afetaria o comércio, causando enormes prejuízos em todo o planeta.


A DISTRIBUIÇÃO DOS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS É BASTANTE DESIGUAL.


A região do Oriente Médio e Ásia Central concentram mais de 50% das reservas de petróleo e gás natural.


Rússia, América do Norte e Austrália empregam em torno de 50% das reservas de carvão mineral.


O PETRÓLEO é o combustível fóssil mais popular e mais importante para os transportes.


Do petróleo são extraídos combustíveis, como a gasolina e o óleo diesel, usado pelos caminhões que fazem boa parte do transporte no Brasil.


O grande desafio atual é encontrar substituto para o petróleo, uma vez que os especialistas afirmam que ele vai acabar num prazo máximo de pouco mais de um século.


Nas pesquisas atuais, o petróleo deve ser substituído pelo álcool (extraído da cana-de-açúcar, ou seja, da biomassa, que é uma fonte renovável) e do hidrogênio, que é um combustível limpo e abundante.


O uso principal do carvão se concentra nas termelétricas, que produzem energia elétrica, a partir da queima de carvão, óleo combustível (derivado do petróleo) ou gás natural em uma caldeira projetada para esta finalidade específica.


Além das termelétricas, o carvão é bastante usado nos fornos das siderúrgicas, onde é queimado para gerar calor e mover as máquinas.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

ATIVIDADE 7º ANO - CAPÍTULO 7 - 3º BIMESTRE



 COMÉRCIO, SISTEMA DE TRANSPORTE E TELECOMUNICAÇÕES

01. Até meados do século XX, a economia brasileira estava fundamentada na exportação de produtos primários e a partir da segunda metade do mesmo século fundamentou-se na produção industrial. Sendo assim, explique como era o sistema de transporte até meados do século XX e a partir da segunda metade do mesmo século.

02. Em relação a infraestrutura e a oferta de serviços de transportes, como se encontra o Brasil atualmente?

03. Segundo o BNDES, se solucionar os problemas de infraestrutura o que ocorre com a população? Explique.

04. O que a ampliação da infraestrutura promove? Em que o Brasil deve investir para melhorar sua infraestrutura? 

05. Na página 20 do livro positivo há um gráfico que se refere ao consumo de energia por setor no Brasil. Explique-o e destaque a fonte de energia mais utilizada em nosso país.

06. A página 22 do livro positivo, trata do sistema de telecomunicações do Brasil. Explique-o.

07. O setor de serviço é muito importante para uma economia. Sendo assim, explique como está organizado o setor de serviço.

08. Em relação a terceirização da economia, explique o que é e como ocorreu no Brasil.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

6ª SÉRIE/7º ANO - ATIVIDADE INDUSTRIAL


ATIVIDADE INDUSTRIAL

Atividade industrial: É o conjunto de atividades produtivas que se caracterizam pela transformação das matérias-primas, de forma artesanal ou com auxílio de técnicas e tecnolo¬gias, para produzir cada vez mais e de forma mais rápida para o mercado consumidor.

O conceito de indústria está vinculado tanto a uma empresa de pequeno porte quanto a um parque industrial.

A indústria atualmente não está somente nas cidades, mas também no campo, como as agroindústrias.

A atividade industrial moderna tem implantado máqui¬nas e tecnologias para suprir as funções que antes eram executadas por seres humanos.

DIVISÃO OU CLASSIFICAÇÃO EM TIPOS OU RAMOS INDUSTRIAIS

QUANTO AOS BENS QUE PRODUZ. 

Indústria de Bens de Capital, de Produção ou de Base: É toda indústria que trabalha com matéria-prima bruta, transformando-a para outras indústrias, que as transformam em produtos que serão utilizados por outras indústrias.

Indústria de Bens Intermediários: É um tipo de indústria de base. Ela produz bens que são absorvidos na produção de outros, como a farinha de trigo na elaboração do pão, a produção de chips para os computadores, etc.

Indústria de Bens de Consumo: É aquela que fabrica produtos voltados ao grande mercado consumidor, como as indústrias têxteis e alimentícias.

Este tipo de indústria é dividida em:

- Bens Duráveis: produtos de longa durabilidade, como os automóveis e os eletrodomésticos, entre outros; 

- Bens não - duráveis: Mercadoria de curta duração, como os calçados, alimento, roupas, etc.

QUANTO A SUA FUNÇÃO. 

Indústrias Germinativas: Para existirem, as indústrias germinativas necessitam de produtos elaborados por outras indústrias. Por essa razão, favorecem o aparecimento de vários outros ramos industriais. 

Indústrias de Ponta:.Este tipo de industria depende, das inovações tecnológicas que gera e de grandes investimentos para funcionar. Elas desenvolvem novas pesquisas, para criarem novos processos de produção e novos produtos. Esse tipo de indústria comanda a produção industrial

QUANTO AO USO DE TECNOLOGIA.

Indústrias Tradicionais: São aquelas que utilizam muita mão de obra e pouca tecnologia. Geralmente, são empresas familiares. Existem algumas delas no Brasil, com destaque para o setor alimentício.

Indústrias Dinâmicas: Utilizam muita tecnologia e capital e pouca força de trabalho. As indústrias dinâmicas estão ligadas ao desenvolvimento mais recente da química e eletrônica. Em geral, são indústrias que atuam em várias partes do mundo, como as multinacionais.

SEGMENTOS INDUSTRIAIS QUE MAIS SE DESTACAM NA EXPORTAÇÃO BRASILEIRA.

De acordo com o IBGE, os que mais colaboram com as exportações brasileiras são:

Indústria extrativa; conservas de frutas, legumes e outros vegetais; óleos e gorduras vegetais e animais; produtos do fumo; curtimento e outras preparações de couro; madeira; celulose e outras pastas para a fabri¬cação de papel; ferro-gusa, ferroligas e siderurgia; metalurgia de metais não ferrosos; máquinas e equipamentos de uso na extração mineral e construção; fabricação de armas, munições e equipamentos militares; aeronaves.
Ferro-gusa é a forma impura de ferro que foi produzida num alto forno com a mistura de outros minerais. Ela é fundida em lingotes (blocos) para serem convertidos mais tarde em ferro fundido, aço, etc. 

Ferroliga é o nome dado às ligas de ferro e outros metais que serão posteriormente transforma dos em ligas de aço.

A Siderurgia é o ramo da metalurgia que se dedica à fabricação e ao tratamento do aço.

A metalurgia é o conjunto de técnicas que o ser humano adquiriu no decorrer do tempo e que lhe permitiu extrair e manipular minerais e gerar ligas metálicas.

AGROINDÚSTRIA

É O segmento industrial de destaque na atualidade.

É importante tanto no abastecimento interno quanto no desempenho exportador do Brasil.

Ela se destaca no abate e na preparação de carnes, na fabricação e no refino de açúcar, nos lacticínios, na panificação e fabricação de massas, nos óleos vegetais e na indústria de sucos, além da produção do café, que tem grande representatividade na pauta das exportações brasileiras.

INFRAESTRUTURA INDUSTRIAL BRASILEIRA

Um dos principais fatores de infraestrutura para qualquer tipo de indústria é a rede de transporte.

O Brasil apresenta uma infraestrutura deficitária (ruim), o que prejudica as relações comerciais dentro e fora do país.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, é necessária e urgente a modernização da malha rodoferroviária (rodovias e ferrovias) e portuária, a fim de ampliar ainda mais as exportações. Isso significa equipar as rodovias, ferrovias e portos.

Os principais fatores que promovem esta condição ruim da infraestrutura brasileira é a manutenção inadequada e até mesmo e a falta de investimentos, fato que provoca prejuízo para as exportações do país.

CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL NO BRASIL

FATORES QUE PROMOVEM A CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL EM UMA REGIÃO:

Boas condições de produção e lucro,
Fácil acesso ao capital, à mão de obra qualificada, à tecnologia, à rede de transporte e comunicação.
Existência do mercado consumidor.
Por isso, há uma tendência de as indústrias se concentrarem em áreas com maior infraestrutura.
Fatores que podem facilitar a industrialização em determinadas áreas e para determinado tipo de indústria::
Fontes de energia;
Mão de obra abundante, barata e qualificada;
Matéria-Prima em abundância ou de fácil acesso;
Mercado consumidor diretamente relacionado à existência de uma população com poder de compra, isto é, com salários que permitam o consumo além do básico;
Infraestrutura de transporte, como rodovias, ferrovias, hidrovias, portos, aeroportos;
Rede de comunicação;
Incentivos fiscais ofertados pelo Estado, com o objetivo de atrair o capital industrial;
Disponibilidade de água;
Média salarial de uma região;
Facilidade de acesso às técnicas e tecnologias industriais;
A ineficiente legislação ambiental existente no país, que favorece a instalação de indústrias poluentes.

IMPORTÂNCIA DO PETRÓLEO PARA INDÚSTRIA

Além de fonte de energia, o petróleo também é uma importante matéria-prima, pois é utilizado na fabricação de vários produtos, como embalagens plásticas e estampas de camisetas.

Este fato possibilitou o crescimento de outros setores industriais, como, por exemplo, a indústria petroquímica.

POLOS PETROQUÍMICOS NO BRASIL

São Paulo (Mauá),
Bahia (Camaçari)
Rio Grande do Sul (Triunfo).

Esses polos estão situados próximo às refinarias da Petrobras, onde também está localizada a quase totalidade das indústrias petroquímicas brasileiras, apesar da existência de algumas instalações de menor porte, em outros centros industriais do país.

MINÉRIO DE FERRO MUITO IMPORTANTE PARA O BRASIL

A proximidade com as matérias-primas, como o minério de ferro, também influiu na localização industrial, como é o caso da instalação de indústrias siderúrgicas no Quadrilátero Ferrífero, em Minas Gerais.

Essa área abrange os municípios de Ouro Preto, Santa Bárbara, Itabira, Mariana e Belo Horizonte e é responsável por aproximadamente 60% da produção de minério de ferro no Brasil. A região é considerada fundamental para o desempenho da balança comercial brasileira.

A REDE DE TRANSPORTE E DISPONIBILIDADE DE MÃO-DE-OBRA SÃO MUITO IMPORTANTES PARA INDÚSTRIA

Um outro fator importante para a localização das indústrias é a existência de uma rede de transporte que possibilite o escoamento das mercadorias produzidas e o recebimento de matéria-prima.

É por isso que muitas áreas industriais se localizam próximo a portos, ferrovias e rodovias.

A disponibilidade de mão de obra e de mercado consumidor também é um dos elementos que contribuem para a instalação industrial numa determinada área.

Dessa forma, pode-se observar que, em grande parte das maiores cidades brasileiras, existe alguma concentração industrial. Muitas das grandes cidades correspondem ao entroncamento de ferrovias, rodovias e aeroportos e abrigam instalações de vários bancos e empresas.

Isso se torna um atrativo para a chegada de mais indústrias e de mais população, que fornecem às indústrias mão de obra e mercado consumidor.

TRANSPORTES DE MERCADORIAS NO BRASIL

Atualmente, essa tendência está se alterando, pois, graças aos avanços tecnológicos, leva¬-se cada vez menos tempo para transportar mercadorias e produtos; e menos tempo ainda para trocar informações.
No Brasil, em alguns lugares, isso ainda não é uma realidade, porque, do ponto de vista do sistema de transportes, o país prioriza o transporte rodoviário. Isto implica na demora da entrega de bens e produtos, que depende de rodovias que, muitas vezes, não possuem as mínimas condições de utilização. Em virtude da má qualidade das rodovias, torna-se necessária uma constante manutenção dos veículos que circulam por elas, o que gera aumento dos custos de produção.

OS INCENTIVOS FISCAIS

Os incentivos fiscais são todas as vantagens oferecidas pelos governos para atrair industrias para seu pais, estado ou município.

Os incentivos fiscais também contribuem para a escolha de uma região em relação à outra.

Esses incentivos vão desde a isenção de impostos até a concessão de terrenos sem custo para a instalação das indústrias.

Muitas vezes, as indústrias recebem toda a infraestrutura básica, como rede de água, energia elétrica, ruas asfaltadas, etc. Isto acontece como forma de atrair novos investimentos e novas tecnologias, a fim de dinamizar a economia da região onde elas se instalam.

Entretanto, nem sempre a empresa que se fixa numa determinada região gera apenas benefícios.

Muitas vezes, ela também causa problemas, como poluição e desemprego - causado pelo descompasso entre o número maior de trabalhadores que o de vagas existentes na nova indústria. Por isso, o grande beneficiário dessas vantagens fornecidas pelo Estado é a própria empresa, que terá aumentado seus lucros.

FATORES QUE PROMOVERAM A CONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL NO BRASIL

Elas concentram-se principalmente na Região Sudeste do país.

A concentração industrial ocorreu na região sudestes basicamente por causa da cafeicultura, que, a partir do fim do século XIX, permitiu a acumulação de capitais e criou toda a infraestrutura na região para o escoamento da produção.

Além do mercado consumidor em crescimento e mão de obra mais qualificada, proveniente principalmente dos imigrantes.

Contudo, à medida que as décadas passaram, houve um crescimento exagerado das cidades dessa região.

O crescimento exagerado das cidades ocorreu principalmente nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, que provocou uma desorganização espacial.

As capitais desses estados e suas respectivas regiões metropolitanas passaram a enfrentar um acentuado crescimento urbano, pois receberam milhares e até milhões de pessoas, que foram para essas cidades em busca de emprego e de melhores condições de vida.

Com isso, ocorreu a expansão das favelas, aumentou a pobreza provocada pelo desemprego, a poluição e a violência, entre outros.

Tudo isso é resultado da falta de projetos governamentais que se propusessem a gerar infraestrutura para as gerações futuras.

MOTIVOS DA DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL NO BRASIL

Atualmente, vem ocorrendo uma desconcentração gradual ou descentralização da atividade industrial no Brasil, Esse fato tem como principais causas: 

Os incentivos fiscais oferecidos por outras unidades da federação, para estimular a entrada de indústrias, com a finalidade de promover o seu crescimento econômico; 

A procura por mão de obra mais barata, comum em unidades da federação menos indus¬trializadas, um dos atrativos na hora da escolha das novas indústrias;

Programas de industrialização implantados pelas unidades da federação com menor nível industrial. Esse fato tem ocorrido principalmente na Região Nordeste, onde algumas das fábricas pagam um salário inferior ao que pagavam em suas regiões de origem. Isso acontece porque há muita mão de obra disponível e pouca oferta de empregos. Como consequência, os salários são mais baixos, o que também é uma forma de atrair novos investimentos; 

Movimentos sindicais pouco organizados, o que se reflete na existência de trabalhadores menos envolvidos com políticas trabalhistas. 

INDÚSTRIAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL – MULTINACIONAIS

Multinacionais são empresas que produzem e distribuem produtos para diversos países, tendo sua matriz e escritório central localizados no país de origem. Todas as suas decisões são tomadas dentro de uma perspectiva global e se beneficiam das vantagens financeiras que cada país oferece. DISPONÍVEL EM: HTTP://www.businesscol.com/productos/glosario_contable_m.htmlacessoem:20.jun.2007

As multinacionais provocam o regime de trabalho flexível, caracterizado pelo funcionário que não precisa necessariamente trabalhar dentro da empresa e nem mesmo cumprir um horário fixo. Esta flexibilidade tem atingido, sobretudo, as empresas de telecomunicações e as de informática.

É fato que as multinacionais fazem parte do nosso dia a dia. Percebemos a sua existência das mais variadas formas: consumindo um produto, assistindo à TV, lendo uma revista. 

Desde os anos 60 até meados dos anos 90 do século XX, os investimentos das multinacionais concentraram-se principalmente no setor industrial. Contudo, da década de 90 para cá, houve uma nova e maciça entrada de multinacionais no país. Isto vem ocorrendo em razão: 

Da abertura econômica, ou seja, o Brasil liberou a entrada de produtos importados;
Da estabilização da economia, pois, a partir da implantação do real, em 1994, o país passou a viver um período de baixa inflação;
Do aumento das expectativas de crescimento econômico e das privatizações, que trouxeram mais empresas estrangeiras e capitais para o país;
Do mercado consumidor em expansão; isto é, com a moeda estável, os salários mantive¬ram-se estáveis, o que permite maior consumo;
Da proximidade com os países do Mercosul: Paraguai, Uruguai, Argentina e Venezuela;
Da mão de obra farta e barata, devido à presença de muitos trabalhadores à procura de emprego;
Da existência de matérias-primas, pois o Brasil é um país rico em recursos naturais;
Da disponibilidade de energia, em especial, a hidroeletricidade;
Dos incentivos fiscais;
Da inexistência ou ineficiência da legislação de proteção ao ambiente.

1. A partir dos anos 90 do século XX, grande parte dos investimentos externos se concentrou no setor de serviços, com destaque para o setor de telefonia. É interessante perceber que os
2.
Setores automotivo, alimentício, eletroeletrônico, de informática e de telecomunicações são controlados, em sua maior parte, por multinacionais, como a General Motors, a rede Wal-Mart, a Samsung, a Microsoft e a Telefônica, entre outras.

Atualmente, percebe-se também que as multinacionais estão atuando em setores, como videolocadoras, salões de beleza e serviços de alimentação.

Em geral, a multinacional, independentemente da área de atuação, entra em um país com muito dinheiro e vontade de dominar o mercado consumidor. Para isso, ela se utiliza de muita publicidade e produtos com preços acessíveis, o que acaba atraindo o consumidor, e desvaloriza o produto nacional em face do preço e da propaganda do novo produto.

Segundo a UNCTAD - Conferência das Nações Unidas para Comércio e Desenvolvimento (2005) -, existem hoje no mundo 70 mil empresas multinacionais. Isso corresponde a um total de 690 mil filiais, que concentram um capital fora dos seus respectivos países de origem de aproximadamente 9 trilhões de dólares.

A UNCTAD tem utilizado o termo "transnacional" para caracterizar principalmente as empresas cujas expansão e acumulação de capitais dependem de um constante crescimento internacional.

No ranking de empresas transnacionais produzido por essa organização, aparecem nas três primeiras posições a General Eletric, Vodaphone e General Motors - representativas dos três setores mais dinâmicos da economia globalizada - eletrônico, telecomunicações e automobilístico, respectivamente.

Oligopólio: Tipo de estrutura de mer cado, nas economias capitalistas, em que poucas empresas detêm o controle da maior parcela do mercado.

Uma tendência atual das grandes corporações é a das fusões, elas se unem formando os chamados oligopólios. 
Além das multinacionais estrangeiras que se instalam aqui no Brasil, também há empresas brasileiras que estão atuando fora do país, como a Petrobras, a Vale do Rio Doce e a Gerdau. Essas três empresas brasileiras aparecem na lista das 50 maiores empresas multinacionais dos países em desenvolvimento, segundo a UNCTAD.


ATIVIDADE CLIMA 1º ANO